PM isola Esplanada dos Ministérios com receio de protesto de caminhoneiros após derrota de Bolsonaro

A Polícia Militar do Distrito Federal fechou o acesso de veículos a trechos da Esplanada dos Ministérios nesta segunda-feira com receio da chegada de caminhoneiros para se manifestar contra a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como presidente. De acordo com a corporação foram isolados a Praça dos Três Poderes e o entorno do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal. Também estão interditadas as vias N1 e S1, que estão fechadas da altura da avenida José Sarney até a L4.

Dia seguinte: Bolsonaro chega ao Palácio do Planalto e permanece em silêncio sobre vitória de Lula nas eleições

Em dois dias: Lula ganha 1,4 milhão de seguidores em seus perfis nas redes sociais

"A Esplanada foi isolada preventivamente pra evitar que caminhões invadam a região. A ideia é proteger os órgãos públicos e manter a ordem", diz nota da PM-DF.

Segundo a PM, houve uma informação de que alguns caminhoneiros estariam a caminho de Brasília e que, nesta tarde, já estaria chegando ao Distrito Federal.

Desde o anúncio da vitória de Lula sobre o atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), na noite de domingo, houve registro de protestos feitos por caminhoneiros contra o resultado das urnas. Na manhã desta segunda-feira, pelo menos 12 estados registraram pontos de bloqueio.

Leia íntegra da nota da Secretaria de Segurança Pública do DF:

"A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) informa que, após avaliação da equipe técnica de Segurança Pública, por questões preventivas de segurança, a Praça dos Três Poderes teve acesso restringido para veículos, sendo as vias N1 e S1 fechadas da altura da avenida José Sarney até a L4.

A medida se deu após identificação de possível ato marcado para o local feito por redes sociais.

A SSP/DF destaca que toda a esplanada segue monitorada pela segurança pública, com suporte de câmeras e pelo serviço de inteligência, com apoio das forças de segurança. As vias podem ser liberadas após nova avaliação".