PM leva garrafadas ao interromper baile funk clandestino em MG

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Armas e drogas apreendidas pela Polícia Militar em baile funk clandestino realizado em Raposos (MG)
Armas e drogas apreendidas pela Polícia Militar em baile funk clandestino realizado em Raposos (MG)
  • A Polícia Militar interrompeu um baile funk clandestino com cerca de 200 pessoas em Raposos (MG)

  • Os frequentadores atiraram garrafas e pedras nos agentes de segurança, que reagiram com gás lacrimogêneo e balas de borracha

  • Aglomerações estão proibidas na Região Metropolitana de Belo Horizonte durante a pandemia de coronavírus

A Polícia Militar foi recebida a garrafadas e pedradas ao interromper um baile funk clandestino realizado na madrugada deste domingo (25) em um sítio em Raposos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Cerca de 200 pessoas participaram da festa desmobilizada pela PM após denúncia anônima, de acordo com informações do portal G1. Para se livrar da fiscalização, os convidados atacaram os agentes de segurança, que reagiram com bombas de gás lacrimogêneo e tiros de balas de borracha.

Leia também

Segundo o site mineiro O Tempo, um dos frequentadores tentou se desfazer de um revólver e de drogas em uma sacola plástica, porém foi flagrado pelos militares e atingido na perna por um projétil de borracha. O homem, de 27 anos, foi o único atingido e recebeu cuidados médicos. Nenhum policial foi ferido. 

Duas pessoas foram presas. Um dos homens, de 25 anos, não tinha passagem pela polícia. Outro detido, de 27, tem passagens por tráfico. O responsável pelo evento foi ouvido pela PM, mas não foi detido.

Segundo os militares envolvidos na ocorrência, não se tratava de um evento comercial, mas de um encontro entre amigos.

Foram apreendidas pela polícia duas armas e pequenas quantidades de cocaína e maconha.

A Grande BH continua dentro da onda roxa, instituída pelo governo estadual para impedir a propagação do coronavírus e evitar o colapso do sistema de saúde. Entre as medidas, estão o fechamento de estabelecimentos comerciais e a proibição de festas e aglomerações.