PM mata cachorro a tiros em BH; tutor relata ameaça e lamenta: “Era um membro da família”

·2 minuto de leitura
Tutor lamenta a morte do cachorro - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Tutor lamenta a morte do cachorro - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • PM atirou duas vezes contra animal na última quinta-feira

  • Ele alegou ter sido atacado pelo cachorro, mas testemunhas desmentiram a versão

  • Yankee tinha 11 anos e havia sido adotado por uma família aos três meses

Um policial militar assassinou um cachorro a tiros na última quinta-feira, em Belo Horizonte. O caso aconteceu na região de Venda Nova e foi divulgado pelo G1.

O agente, que estava de folga, atirou contra o cão Yankee, de 11 anos, que pertencia a uma família. Ele alegou que o animal investiu contra ele e sua cadela, mas relatos de testemunhas desmentiram a versão.

Leia também:

Tutor de Yankee, Alberto Luiz Andrade Simão contou que deixou o animal preso do lado de fora de um supermercado, onde entrou para fazer compras. O vira-lata, porém, conseguiu escapar e saiu pelas ruas.

Alberto reencontrou Yankee após cerca de 20 minutos de procura e presenciou o crime. Seu cachorro cruzava com o PM, acompanhado de uma cadela, quando os dois animais "se estranharam".

"Os dois cachorros se estranharam, rosnaram um para o outro. Eu estava a uns 40 metros de distância quando o rapaz sacou a arma e deu um tiro no meu cachorro. Ele caiu no chão, e o rapaz ainda deu outro tiro”, relatou Alberto.

Yankee tinha 11 anos - Foto: Arquivo Pessoal
Yankee tinha 11 anos - Foto: Arquivo Pessoal

O tutor de Yankee disse, inclusive, que foi ameaçado pelo homem, que revelou ser PM na sequência.

“Eu falei: 'Você é louco, você matou meu cachorro'. Ele me chamou de irresponsável, disse que ia chamar a viatura e que eu tinha sorte de ele não dar um tiro na minha cara.”

De acordo com testemunhas, o crime gerou revolta entre os presentes, que passaram a ofender o policial. Uma moradora da região, que preferiu não se identificar, negou que Yankee tenha sido agressivo com o agente ou sua cadela.

"É normal um cachorro estranhar o outro, mas ele não atacou nem nada. O policial deu um tiro e, com o cachorro já no chão, deu mais um. Isso tudo à luz do dia, tinha criança passando na rua", contou ao G1.

Versão do PM

Ao contrário do que disseram os outros presentes, o policial garantiu que foi atacado por Yankee. No boletim de ocorrência, ele afirmou que o cachorro investiu “de maneira agressiva”, alegou ter gritado com o animal e que, “sem outro recurso”, efetuou os disparos.

“Estou destruído”, diz tutor

Alberto contou que Yankee estava com a família desde os três meses, quando foi adotado, e acompanhou o crescimento de seu filho, hoje com 15 anos. “Ele (Yankee) era um membro da família”, resumiu.

“Meu filho está revoltado, isso mexe muito com o emocional do adolescente. Eu estou destruído. Minha preocupação agora é resolver isso, ficar com o meu filho, acalmar o coração dele, porque nada vai trazer meu cachorro de volta. Era o meu único cachorro, nunca tivemos animal antes e nem sei se vou ter coragem de ter outro depois disso."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos