PM paulista aplica 277 multas contra motoristas que travam estradas em atos golpistas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ações da Polícia Militar nas estradas paulistas já resultaram em 277 multas para condutores que insistem em trancar estradas durante atos antidemocráticos pelo estado. As penalidades têm valor de R$ 100 mil.

Segundo a SSP (Secretaria da Segurança Pública), até até a tarde desta quarta-feira (2), 170 pontos de bloqueio foram dissolvidos, 131 rodovias liberadas e 235 ações de liberação realizadas pela PM.

Dados internos da corporação apontam por 13 vezes o emprego de Controle de Distúrbios Civis, ou seja, uso moderado da força, com bombas de gás, balas de borracha ou esguichos de água, para dispersar os golpistas.

A PM também foi responsável pela escolta de 14 veículos, principalmente de empresas e órgãos de trabalho essencial, como a ANP (Agência Nacional do Petróleo) e Comgás, e de transporte de combustível.

Veículos que fazem o transporte de materiais utilizados na Fórmula 1 também estão sendo acompanhados até Interlagos, na zona sul de São Paulo. O GP Brasil acontece entre os dias 11 e 13 de novembro.

Até a tarde desta quinta-feira, três pessoas haviam sido detidas em virtude das manifestações golpistas.

Em nota, a SSP informou que policiais militares desobstruíram a rodovia Presidente Castelo Branco, uma das que continuavam parcialmente interditadas.

No local, uma equipe do Batalhão de Choque fez uso de granadas lacrimogêneas e fumígenas, que causam incômodos nos olhos, com o intuito de dispersar os manifestantes. Também houve o uso de um caminhão lançador de água e de um veículo blindado.

A aplicação de multas e a atuação da Polícia Militar nas estradas foi anunciada nesta terça (1ª) pelo governador Rodrigo Garcia (PSDB), após a decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, que permitiu que as polícias militares atuassem na desobstrução de rodovias bloqueadas "independentemente do lugar em que ocorram", inclusive em rodovias federais --a cargo da PRF (Polícia Rodoviária Federal).

Segundo o ministro, tem havido "omissão e inércia" da PRF na desobstrução das vias.

Na segunda (31), Moraes já havia determinado que o governo federal adotasse imediatamente "todas as medidas necessárias e suficientes" para desobstruir as rodovias ocupadas por bolsonaristas em protesto pelo resultado das eleições.

Desde a vitória do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), apoiadores de Jair Bolsonaro (PL), incluindo caminhoneiros, fazem bloqueios ou aglomerações em vias de estados e do Distrito Federal. Os manifestantes pedem um golpe.