PM prende quatro suspeitos de participação na morte de índio Guajajara no Maranhão

Erisvan Soares Guajajara, 15, foi morto a golpes de faca no Maranhão. Imagem: Reprodução/TV Globo

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Erisvan Guajajara, de 15 anos, foi morto a golpes de faca nessa sexta (13).

  • Indígena foi o quarto Guajajara assassinado no Maranhão em menos de dois meses.

Quatro pessoas foram presas neste sábado (14) pela Polícia Militar suspeitas de envolvimento na morte do indígena Erisvan Guajajara, de 15 anos. Ele foi assassinado a golpes de faca durante uma festa nessa sexta-feira (13), no município de Amarante do Maranhão, localizado a 687 km de São Luís. Além do jovem, o não indígena José Roberto do Nascimento Silva, de 23 anos, também foi morto.

As informações foram publicadas pelo portal G1, segundo o qual as investigações estão a cargo da Delegacia Regional de Imperatriz, uma vez que não há delegado em Amarante do Maranhão. A principal suspeita da PM é que o indígena e o homem tenham sido mortos por envolvimento com roubos e tráfico de drogas na região.

Leia também

“Nós temos histórico de envolvimento dos dois, tanto o indígena, quanto o não indígena em situação de roubo e furto de celulares e envolvimento com o tráfico de drogas. Estamos com a Polícia Civil buscando com os nossos serviços de inteligência mais informações no sentido de resolver essa questão e dar reposta a essa comunidade de Amarante”, explica o coronel Jorge Araújo, comandante do 34º Batalhão de Polícia Militar de Amarante do Maranhão.

Um dos irmãos do jovem indígena afirmou que ele havia saído há 25 dias da Terra Indígena Araribóia, localizada a 20 km do centro de Amarante. Os corpos de Erisvan e de José Roberto foram encontrados em um terreno baldio próximo a um campo de futebol. A família do índio pede justiça.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) disse que está acompanhando o caso e se colocou à disposição para ajudar no que for possível. O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) afirmou que, até o momento não encontrou elementos de crime de ódio ou por disputa de terras.

Os corpos de Erisvan Guajajara e José Roberto Nascimento foram liberados pelo Instituto Médico Legal de Imperatriz (IML) na noite dessa sexta (13) após passarem por exames.

Indígenas assassinados no Maranhão

Em menos de dois meses, esse já é o quarto assassinato de índios Guajajara no Maranhão. No último sábado (7) um ataque a índios matou dois caciques e deixou ferido outros dois índios no município de Jenipapo dos Vieiras. A Polícia Federal abriu um inquérito para investigar o caso.

Por conta dos ataques, o ministro da Justiça, Sergio Moro, determinou que a Força Nacional de Segurança atue na Terra Indígena Cana Brava, que fica a 200 km de onde o indígena Erisvan Guajajara foi assassinado. As tropas chegaram na região na quarta-feira (11) e devem permanecer por 90 dias.