PM resgata mulher prestes a ser queimada viva na Comunidade do Cajueiro, no Rio

PM resgata mulher que seria morta no RJ; Ela apresentava diversos ferimentos - Foto: Polícia Militar/Divulgação
PM resgata mulher que seria morta no RJ; Ela apresentava diversos ferimentos - Foto: Polícia Militar/Divulgação

Policiais Militares (PM) resgataram na tarde desta terça-feira (16), na Comunidade do Cajueiro, em Madureira, Zona Norte do Rio, uma mulher que estava prestes a ser queimada viva em meio a pneus.

A vítima foi resgatada depois de a PM receber informações passadas pelo Disque-denúncia dando conta de que a mulher estava sendo torturada e ia ser assassinada após ser condenada à morte pelo 'tribunal do tráfico'.

Ela estava no alto da comunidade, em local conhecido como "Campo do Bure".

Os agentes militares do 9º BPM (Rocha Miranda) foram até o local e encontraram a vítima amarrada, com os olhos vendados e a boca coberta por uma fita adesiva, cercada por pneus. Ela tinha marcas de agressões.

Aos policiais, a vítima disse que tinha sido levada de dentro de casa e que devia ter sido confundida com alguém. Ela ainda contou que foi muito xingada e que minutos antes, da PM chegar, estava sendo torturada e que foi informada que seria queimada viva nos pneus após o ‘martelo ser batido no tribunal do crime’.

No entanto, segundo testemunhas, a mulher estava devendo dinheiro aos criminosos.

Após o resgate, a vítima foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Madureira. Ainda não há informações sobre o estado de saúde dela.

O caso foi encaminhado para a 29ª DP (Madureira).

Outro caso

Na última segunda-feira (15), uma jovem foi sequestrada para ser julgada no chamado "tribunal do crime" do PCC (Primeiro Comando Capital).

A polícia já deteve três mulheres e seis homens, suspeitos pelo rapto da menina. O caso ocorreu na região do Itaim Paulista, zona leste de São Paulo.

Segundo informações do 4º Batalhão de Ações Especiais, a mulher estava em uma balada no último domingo (14), quando um homem se aproximou e pediu para beijá-la. A menina negou o beijo e em uma discussão ofendeu o homem, que se identificou como um dos "irmãos" da facção criminosa PCC. Os irmãos no caso são identificados como “Besteirinha” e “Gordo”.

O criminoso teria voltado mais tarde à casa noturna com alguns de seus comparsas, que levaram o carro da vítima para um cativeiro.

Ainda de acordo com o 29° Batalhão de Polícia Militar, responsável pelo caso, a mulher seria julgada pelo “tribunal do crime” na segunda-feira (15).

O julgamento feito pelos criminosos é uma prática do crime organizado em que os próprios envolvidos com a organização determinam e cumprem a pena dos acusados.

A vítima foi libertada ilesa e nove suspeitos foram presos. Um revólver calibre 32 foi apreendido e o carro da vítima, localizado.