Podcast revê história da Ucrânia e explica por que guerra é de independência para Kiev

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Vladimir Putin é esperto e, antes de invadir militarmente a Ucrânia, publicou no site do Kremlin um ensaio em que afirmava que o país vizinho nunca fora dono da própria identidade: esta viria da Rússia --cujo presidente procuraria agora desvalorizar os ucranianos para em seguida subjugá-los com muitas mortes e destruição.

A manobra é denunciada em um podcast da rede americana NPR (em inglês), com informações historicamente consistentes, por uma das maiores autoridades acadêmicas sobre a Ucrânia. Serhii Plokhii tem 65 anos e é professor em Harvard. Autor de "O Último Império" (2015), argumenta que a identidade local é anterior à russa e integra um quadro étnico e religioso de complexidade invejáveis.

O conflito desencadeado em fevereiro, diz ele, está funcionando para os ucranianos como guerra de independência, a partir da qual se alcança um novo patamar de identidade. O país, extenso e de pouco menos de 45 milhões de habitantes, redescobre sua antiga individualidade, dissociada em definitivo do império comandado pela czarina Catarina 2ª e sobretudo não mais remetendo à extinta União Soviética.

Tudo isso contrasta com a posição de Putin expressa no texto de julho do ano passado, para quem a Ucrânia não dispõe de uma história própria. Num segundo momento, o político também afirma que o vizinho deveria se voltar mais para a Rússia, não para a União Europeia ou os EUA. O que leva Plokhii a afirmar que, sem história ou legitimidade, Kiev não tem o direito a existir.

Há uma clara analogia com "1984", de George Orwell, para quem o controle do passado é também o controle do presente.

E Plokhii volta à questão da identidade: "Os ucranianos não estão apenas guerreando pela independência de seu Estado. Estão também lutando pela sobrevivência de sua identidade, já que a Rússia no passado tentou aniquilar a Ucrânia para submetê-la a sua influência cultural".

Nem sempre essa percepção é nítida. Durante séculos a Rússia e a Ucrânia atuaram juntas. Ainda hoje famílias se dividem dos dois lados da fronteira. Mas os ucranianos sempre cultivaram as raízes de seu sentido de autonomia e independência, diz o professor de Harvard.

Vejamos um pouco de história. Durante a alta Idade Média as bacias hidrográficas ucranianas atraíram da Escandinávia os vikings, também chamados de rus --donde vem a palavra Rússia. Outras etnias chegaram, uma delas a dos eslavos. No século 13 a região caiu sob controle dos mongóis, que destruíram os postos de comércio do Estado dos Rus. É na luta contra os mongóis, diz o historiador de Harvard, que a identidade ucraniana começa a se formar. A estepe euroasiática esboçava seu atual contorno político.

Plokhii insiste no fato de a moderna Ucrânia nascer com a chegada de um novo personagem na demografia do Leste Europeu. Foram os cossacos, não mais os vikings ou os rus. Há uma diferença entre os cossacos ucranianos e os russos: os primeiros foram capazes de criar um Estado próprio, por volta do século 17, que é de início independente e a seguir se associa à Rússia, até o final do século 18.

A palavra cossaco vem do turco e significa homens livres. Eram excelentes cavaleiros, agressivos e responsáveis pelo extermínio de dezenas de milhares de judeus da Ucrânia no século 17. Em termos de identidade cultural, esse grupo estimulou a literatura e o ensino da ciência. Tinham ainda seu próprio Exército e instituições burocráticas, depois incorporadas ao Império da Rússia.

O importante é o diferencial de identidade que os rus e os cossacos deram aos povos que se julgam hoje ucranianos. Eles sabem que têm menos a ver com a identidade russa. Reivindicam uma diferença que agora firmam por meio da guerra.

Um dos tópicos que o podcast da NPR não explora em profundidade é o peso que a Ucrânia ainda carrega por seu passado soviético. Ao ser criada, em 1922, a URSS exerceu o nivelamento entre as repúblicas que a integravam. A Ucrânia passou a ser um quintal em que a Rússia exercia sua alta tecnologia --a nuclear e sobretudo a bélica. Os ucranianos mereciam uma confiança e uma cumplicidade que inexistiam, por exemplo, com relação às repúblicas bálticas ou à Tchetchênia.

O fato é que os ucranianos foram grudados à Rússia pelo comunismo. E é por isso que Vladimir Putin se sente injustamente no direito de tratar a Ucrânia como uma periferia umbilicalmente grudada a Moscou. O que, em definitivo, o professor Plokhii insiste que não é verdade.

*

A PERIGOSA INDEPENDÊNCIA DA UCRÂNIA

Onde Podcast da série Throughline, disponível no site da NPR (npr.org)

Duração 44 min. (em inglês)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos