PoderData: Bolsonaro leva vantagem entre evangélicos, e Lula ganha nos católicos

Lula e Bolsonaro (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images/ EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Lula e Bolsonaro (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images/ EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Para o primeiro turno das eleições deste ano, a pesquisa PoderData, realizada entre 22 e 24 de maio e divulgada nesta quarta-feira (25), revela que o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem 46% das intenções de voto entre eleitores evangélicos e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), 33%.

Entre os católicos, porém, o cenário é outro: Lula lidera com 44% das intenções e Bolsonaro marca 35% nesse segmento religioso.

Considerando a população como um todo, ainda de acordo com a pesquisa PoderData, o petista tem 43% das intenções de voto, enquanto o chefe do Executivo pontua 35%. A diferença entre eles é de oito pontos percentuais.

O pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, aparece em terceiro lugar, com 5% das intenções de voto. Em seguida está André Janones (Avante), com 3%; e Simone Tebet (MDB), 2%.

O ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB), que anunciou nesta semana a desistência da corrida ao Planalto, havia registrado 1% das intenções, assim como José Maria Eymael (DC).

Leonardo Péricles (UP), Luciano Bivar (União Brasil), Luiz Felipe D’Ávila (Novo), Pablo Marçal (Pros), Sofia Manzano (PCB) e Vera Lúcia (PSTU) não tiveram menções suficientes para chegar à pontuação mínima.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, empresa do grupo Poder360 Jornalismo, com recursos próprios. Os dados foram coletados por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 3.000 entrevistas em 301 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%. Registro no TSE: BR-05638/2022.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos