Polêmica envolvendo TV pública espanhola e herdeira do trono

·2 minuto de leitura
(ARQUIVOS) Nesta foto de arquivo tirada em 16 de outubro de 2020, o Rei Felipe VI (R) da Espanha encoraja sua filha Princesa Leonor enquanto ela se levanta para fazer um discurso durante a cerimônia de premiação da Princesa das Astúrias 2020 no Hotel Reconquinta em Oviedo. Leonor, herdeira do trono espanhol, freqüentará o internato em um castelo medieval no País de Gales, disse a casa real em 10 de fevereiro de 2021. A filha de 15 anos do rei Felipe começará seu Bacharelado Internacional no outono no UWC Atlantic College, localizado 25 quilômetros (15 milhas) a oeste de Cardiff, disse em um comunicado.

A televisão pública espanhola gerou polêmica nesta quarta-feira (10) ao comparar a princesa Leonor, herdeira do trono, com seu avô Juan Carlos, exilado após indícios de supostas irregularidades em suas finanças pessoais.

A televisão pública transmitiu por alguns minutos o banner "Leonor está saindo de Espanha, como seu avô", para comentar a notícia de que a filha de 15 anos do rei Felipe VI vai estudar o ensino médio no País de Gales.

O canal de La 1 estabeleceu assim um paralelo com o rei emérito Juan Carlos, pai de Felipe e rei da Espanha de 1975 a 2014, que desde agosto vive em exílio em Abu Dhabi, depois que a justiça espanhola começou a investigar sua fortuna.

O incidente forçou a Radiotelevisión Española (RTVE) a reagir.

Em um “comunicado de urgência”, anunciou que a administradora da entidade pública, Rosa María Mateo, “lamenta profundamente o grave erro” e “tomou medidas imediatas para que os responsáveis por este erro sejam dispensados de seus cargos”.

A entidade pública acrescentou que o rótulo é “uma irresponsabilidade grave que não pode prejudicar o compromisso inabalável da RTVE com a defesa dos valores constitucionais e das instituições do Estado e, acima de tudo, da Coroa”.

Os partidos juntaram-se à polêmica, num país altamente polarizado onde é tradição acusar o governo da época - que nomeia o titular da TVE - de querer enviesar politicamente este serviço público.

“A índole da RTVE não tem limites. Agora ataca a Coroa”, tuitou o Partido Popular, líder da oposição conservadora, enfatizando que “a TVE não pode ser o canal oficial do governo”, e que “chega de manipulação”.

Por sua vez, a esquerda radical do Podemos, abertamente republicana e parceira do governo dos socialistas, ironizou o assunto.

“O banner da TVE não deveria incomodar os monarquistas que acreditam que Juan Carlos é inocente e deixou a Espanha para sair de cena”, escreveu a coalizão de esquerda. “Se isso os incomoda é porque estão reconhecendo que, de fato, Juan Carlos é corrupto”, acrescentou.

avl/mb/gf