Polícia acredita que mulher de turista tenha sido estuprada antes de assassinato do marido em Paraty

Carolina Heringer

As investigações da Polícia Civil apontam que a mulher do turista lituano morto na madrugada dessa quinta-feira na Praia do Sono, em Paraty, na Costa Verde do Rio, foi estuprada antes do assassinato do marido, Adam Zindul, de 37 anos. O delegado titular da 167ª DP (Paraty), Marcelo Russo, acredita que a intenção inicial do autor dos delitos era cometer o crime sexual. Um suspeito do crime, identificado como Edson Santos, foi levado para a delegacia por policiais militares.

- Foi um crime bárbaro, de cunho sexual, pois ele pratica o estupro e, em seguida, o homicídio. Esse suspeito não tem nenhuma relação de parentesco, nenhuma proximidade com as vítimas. Foi apenas maldade humana - afirmou o delegado.

O suspeito levado para a delegacia foi apontado por testemunhas como autor do crime. Morador de Paraty, ele já tem passagem pela polícia pelo crime de tráfico de drogas. A Polícia Civil realiza diligências e está colhendo alguns depoimentos. A mulher do lituano, que é natual de São Paulo, está internada no Hospital municipal Hugo Miranda, também em Paraty, e será ouvida. O casal chegou no Brasil no último dia 28 e estava em Paraty há quatro dias, numa casa alugada para temporada de férias.

De acordo com informações da Polícia Militar, a mulher de Zindul havia acabado de sair do banho, por volta das 22h30 de quarta-feira, e estendia a toalha quando foi rendida pelo suspeito, armado com uma faca. O bandido encostou a arma no pescoço da mulher e obrigou-a a entrar na casa. Em seguida, determinou que ela amarrasse o próprio marido para que pudesse estuprá-la. Adam só foi morto após o crime sexual. Os policiais militares acionados para o local do crime encontraram o corpo dele com os pés e mãos amarrados, numa cadeira. Na cabeça do lituano havia um saco plástico.

A Praia do Sono é um destino bastante procurado por turistas. O acesso ao local é de barco ou por trilhas.