Polícia apreende 250 quilos de cocaína que iria para exterior monitorada por rastreador da Apple

·3 min de leitura

Numa ação contra quadrilha internacional de tráfico de drogas, policiais das delegacias de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), de Repressão aos Entorpecentes (DRE) e da 17ª DP (São Cristóvão) apreenderam 250 quilos de cocaína em um sítio, no bairro Brisa Mar, em Itaguaí, Baixada Fluminense. Os bandidos utilizaram um AirTag, rastreador da Apple, para monitorar a carga de cloridrato de cocaína que seria exportada para a Europa.

A ação ocorreu no último sábado, quando agentes estouraram o imóvel onde havia cinco malas com cloridrato de cocaína. Estima-se que havia cerca de 50 quilos do material em cada uma das malas. A droga seria içada em navio no Porto de Itaguaí e exportada para a Europa.

Um veículo foi apreendido e duas pessoas foram detidas. A investigação apura se o grupo também distribuía drogas dentro do estado para facções locais. A suspeita, segundo a polícia, é de que se trate de uma quadrilha especializada em remessa de cocaína da América do Sul para a Europa, passando pelo Brasil.

O esquema funcionava com o transporte da droga, que saía de países fornecedores de cocaína pura (Bolívia e Colômbia), para municípios praianos do estado do Rio. Posteriormente, o entorpecente era acondicionado em malas embaladas e com pesos (anilhas de ferro) que seriam, então, içadas por tripulantes participantes do esquema, burlando a fiscalização portuária.

Ainda segundo as investigações, o quilo do cloridrato de cocaína (cocaína pura 99%) tem valor estimado em 42 mil euros no local de entrada na Europa, “normalmente Bélgica”, mas que pode chegar a 75 mil euros em países do leste europeu.

A modalidade de içamento ou pescaria já é conhecida pela polícia, que agora trabalha para elucidar a origem e distribuição da droga, além da identificação de todos os participantes da organização criminosa.

A Polícia Civil utilizou um AirTag, rastreador da Apple, para monitorar uma carga de cloridrato de cocaína que seria exportada para a Europa. Numa ação contra quadrilha internacional de tráfico de drogas, policiais das delegacias de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), de Repressão aos Entorpecentes (DRE) e da 17ª DP (São Cristóvão) apreenderam 250 quilos de cocaína em um sítio, no bairro Brisa Mar, em Itaguaí. A ação ocorreu no último sábado, quando agentes estouraram o imóvel onde havia cinco malas com cloridrato de cocaína. Estima-se que havia cerca de 50 quilos do material em cada uma das malas. A droga seria içada em navio no Porto de Itaguaí e exportada para a Europa.

Um veículo também foi apreendido e duas pessoas foram detidas. A investigação apura se o grupo também distribuía drogas dentro do estado para facções locais. A suspeita, segundo a polícia, é de que se trate de uma quadrilha especializada em remessa de cocaína da América do Sul para a Europa, passando pelo Brasil.

O esquema funcionava com o transporte da droga, que saía de países fornecedores de cocaína pura (Bolívia e Colômbia) para municípios praianos do estado do Rio. Posteriormente, a droga era acondicionada em malas embaladas e com pesos (anilhas de ferro) que seriam então içadas por tripulantes participantes do esquema, burlando a fiscalização portuária.

Ainda segundo as investigações, o quilo cloridrato de cocaína (cocaína pura 99%) tem valor estimado em 42 mil euros no local de entrada na Europa, “normalmente Bélgica”, mas que pode chegar a 75 mil euros em países do leste europeu.

A modalidade de içamento ou pescaria já é conhecida pela polícia, que agora trabalha para elucidar a origem e distribuição da droga, além da identificação de todos os participantes da organização criminosa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos