Polícia apura por que queixa de tentativa de homicídio a sequestrador não foi investigada

Patricia Espinoza
Danilo Macedo, que raspou o cabelo dentro do bar, chegou na delegacia com toalha amarrada na cintura

A Polícia Civil vai investigar eventual desvio de conduta de policiais que receberam denúncia de tentativa de homicído sofrida por Danilo Damião Nogueira da Silva, acusado de sequestro. Na sexta, ele manteve sete reféns num bar na Lapa por quase oito horas. Segundo Álvaro Quintão, secretário-geral da OAB do RJ e presidente da Comissão de Direitos Humanos, a denúncia foi feita pelo sequestrador há uma semana, mas não foi atendida. Ainda de acordo com o advogado, como consequência do episódio, Danillo teria "surtado, perdendo a cabeça”. Em nota, a Polícia Civil disse que "em relação à suposta negativa de atendimento por parte dos servidores, foi instaurada uma sindicância para apurar eventual desvio de conduta dos mesmos e possíveis infrações administrativas".

— Há uma semana, ele sofreu uma tentativa de homicídio, esteve na delegacia procurando ajuda e não conseguiu. Existem filmagens da região que podem comprovar isso. Esperamos que a polícia possa apurar, disse o advogado.

Na tarde de sexta, Danilo Damião Nogueira da Silva, de 43 anos, conhecido como Danilo Caipirinha, manteve sete reféns no Bar da Preta, na Lapa. Após cerca de oito horas, com a liberação das duas últimas vítimas, a polícia entrou no local e imobilizou o suspeito com uma arma de choque. Ele, de acordo com a PM, estava armado com uma faca. Com ele, a PM apreendeu três facas e garrafas com gasolina. Nenhum refém ficou ferido. O homem foi preso e levado para a 5ª DP (Centro). Depois de 24 horas, ele será levado para o Serviço de Polícia Interestadual (Polinter).