Polícia austríaca realiza mais de 60 operações por vínculos islamitas

·1 minuto de leitura
Foto divulgada pelo Departamento de Polícia da Áustria mostra as armas usadas no ataque de 2 de novembro em Viena
Foto divulgada pelo Departamento de Polícia da Áustria mostra as armas usadas no ataque de 2 de novembro em Viena

A polícia austríaca realizou nesta segunda-feira operações de busca em mais de 60 pontos de quatro regiões do país, vinculados com os movimentos islamitas Irmandade Muçulmana e Hamas, anunciou o MP, em uma operação sem relação com o atentado da semana passada em Viena.

A investigação, que começou há quase um ano, está concentrada em "mais de 70 suspeitos e várias associações suspeitas de pertencer e apoiar as organizações terroristas Irmandade Muçulmana e Hamas", afirmou o Ministério Público da região da Estíria.

Entre os suspeitos, 30 receberam ordens para comparecer à polícia para interrogatórios.

O MP menciona "suspeitas de formação de organização terrorista, financiamento do terrorismo e lavagem de dinheiro".

As operações, na Estíria, Carinthia, Baixa Áustria e Viena, tiveram como objetivo "atacar as raízes do islã político", afirmou o ministro do Interior, Karl Nehammer.

"Atuamos com toda nossa força contra estas organizações criminosas, extremistas e desumanas", completou.

Na segunda-feira passada, um simpatizante do grupo extremista Estado Islâmico (EI) abriu fogo em um bairro do centro de Viena e matou quatro pessoas, no primeiro ataque deste tipo em décadas na Áustria.

Depois do atentado, o chefe de Governo conservador Sebastian Kurz reiterou a decisão de combater o islã político.

jsk-anb/jhd/mar/es/fp