Polícia Civil faz operação contra milícias em três municípios da Baixada Fluminense, e tem 20 presos

Arthur Leal
·2 minuto de leitura

RIO — A Polícia Civil realiza uma operação de asfixia aos negócios da milícia em pelo menos três municípios da Baixada Fluminense, nesta quarta-feira, dia 24, com apoio do Procon-RJ. Os agentes estão em busca de estabelecimentos que estariam ligados ao grupo de paramilitares, com venda ilegal de água, gás, sinais piratas de TV e internet e comercialização até de cestas básicas. Até o momento, 20 pessoas foram presas.

Em balanço divulgado pela Civil no início desta tarde, em Vargem Pequena, um dos presos foi identificado como Neném, apontado como comparsa de Orlando Curicica, ex-chefe à frente da milícia em Curicica e Gardênia Azul, na Zona Oeste do Rio. Um outro homem, apontado como o responsável por expulsar provedores de internet legalizados para implantar os clandestinos, também foi preso. O serviço é explorado pela milícia em Belford Roxo.

A ação é coordenada pelo Departamento-Geral de Polícia Especializada (DGPE), e estão empenhados agentes de diversas outras DPs, como a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (DRACO), Delegacia do Consumidor (Decon) e Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD).

Os policiais e fiscais do Procon-RJ, que acompanham a ação para autuar os estabelecimentos, visitam os endereços em Duque de Caxias, Belford Roxo e Nova Iguaçu, que supostamente fazem parte do braço financeiro da milícia de Wellington da Silva Braga, o Ecko.

Os agentes encontraram em um dos endereços um grande depósito de gás e de venda de água explorado pela milícia. De acordo com a polícia, a água não não tinha qualquer procedência e era envasada no próprio local. No controle feito pela milícia, era proibida a fiscalização e os produtos eram vendidos acima do preço de mercado.

Os policiais também apuram denúncias envolvendo empresas de GNV ilegais, parcelamento irregular de solo urbano, exploração e construções irregulares, areais e outros crimes ambientais, contrabando, transporte alternativo irregular, entre outras ilegalidades, todas ligadas diretamente à milícia.