Polícia Civil investiga se milícia está por trás de desaparecimento de três homens em Santa Cruz

·5 minuto de leitura

RIO – A Polícia Civil do Rio abriu um inquérito para investigar o desaparecimento de três homens em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, na última semana. Os comerciantes Jorge Teixeira de Abreu Filho, de 43; Paulo César Soares Santos e o mecânico Fabrício Oliveira dos Santos, de 31, saíram de Itaguaí, na Região Metropolitana do Rio, para buscarem gás na área dominada pelo miliciano Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, irmão do também miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, morto pela polícia em junho, e sumiram. A região também é disputada pelo paramilitar Danilo Dias Lima, conhecido como Danilo do Jesuítas ou Tandera, ex-aliado de Ecko. Os investigadores querem saber o que motivou o sumiço do trio no final da manhã do último dia 6.

Segundo familiares das vítimas, os três já havia buscado o material para abastecer o comércio de Jorge e estavam retornando para Itaguaí, quando pararam de dar notícias, por volta das 11h. Imagens de câmera de segurança – que a família afirma mostrar os homens – chegou a flagrar o caminhão estacionado em uma rua e o trio sendo colocado em carros diferentes. Em outra imagem, o caminhão é visto sendo rebocado. Desde aquela manhã, os parentes não tiveram mais notícias sobre os Paulo, Jorge e Fabrício.

– Eles saíram na última quarta-feira, por volta das 9h, e foram buscar gás lá em Santa Cruz. Era um dia qualquer e não tinha nada de estranho. O meu marido (Jorge Teixeira) já tinha planejado ir lá porque os botijões haviam acabado na loja e as pessoas estavam esperando – diz a mulher de Jorge, que completa:

– Quando foi dando 13h, 14h, estranhei a demora e liguei para ele. Porque, horas antes, por volta das 11h50, ele me mandou mensagem e disse: “Vida, estou voltando”. Depois disso, o telefone online e nunca mais atendeu. Fomos lá em Santa Cruz, refizemos o trajeto para ver se tinha algo de errado. Fomos no depósito e o dono disse que eles descarregaram com os botijões vazios, recarregaram e saíram normalmente – diz a comerciante de 22 anos que está grávida de pouco mais de um mês do comerciante.

O bairro de Santa Cruz é dominado por grupos de milicianos que costumam explorar a venda de gás, além de extorquir comerciantes e motoristas de vans. Atualmente, Zinho briga com também miliciano Danilo Dias Lima, conhecido como Danilo do Jesuítas ou Tandera, pelo controle territorial de bairros da Zona Oeste. Danilo já foi aliado de Ecko. No entanto, romperam no fim de 2020.

Paulo César é sargento da reserva do Exército e trabalhava com Jorge, que também é conhecido como Fabrício do Gás, no comércio em que eles eram sócios.

Era a segunda vez que Fabrício Oliveira dos Santos trabalhava para os amigos. O sonho do homem é ser pai.

– Ele prestava serviços quando o Seu Jorge pedia. O meu marido trabalhava na oficina mecânica de um amigo. Na quarta ele avisou que iria ajudá-los. Mas, como desde sábado ele estava sem telefone, não estranhamos nada de anormal. Mas, veio a noite e nada deles chegarem. A gente ligou para o Seu Jorge e o telefone dele estava desligado. Mandamos mensagem e nada. No dia seguinte, fizemos um registro de ocorrência. A nossa esperança é que eles apareçam, mas está difícil. Queríamos que, se eles estiverem mortos, pelo menos o corpo. Ele (Fabrício) é supertranquilo, não tinha envolvimento com nada – destaca a companheira do ajudante de mecânica.

Os parentes registraram o caso inicialmente na 50ª DP (Itaguaí), mas o caso deverá ser encaminhado para o Setor de Descoberta de Paradeiros da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Na próxima quarta-feira, a polícia decidirá se o desaparecimento será investigado pela especializada ou encaminhado para a 36ª DP (Santa Cruz).

Envolvimento de milicianos

Policiais da 50ª DP (Itaguaí) apuram se paramilitares de Santa Cruz, estão envolvidos no desaparecimento do trio. Imagens de câmeras de segurança – entregues pelos parantes das vítimas à distrital – mostram um Voyage prata, um Fiesta Sedan preto e Peugeot 206 preto, que teriam abordado os trabalhadores, mandado eles desceram do caminhão e os colocado nos carros – próximo ao veículo que os familiares de Jorge, Paulo César e Fabrício estariam.

Imagens de um circuito interno de TV flagraram os veículos cercando o caminhão branco, onde estariam os homens, ao fundo de uma rua, por volta das 12h. Depois de alguns instantes, os carros de passeio passam, mas o caminhão segue estacionado. Instantes depois, uma outra câmera de segurança captou o momento em que o caminhão passa sendo levado por um reboque vermelho. O material está sendo analisado pela Polícia Civil. O caminhão foi apreendido e os investigadores solicitaram uma perícia papiloscópica para tentar identificar os responsáveis pelo desaparecimento dos comerciantes através de impressões digitais.

Procurado, o Disque-Denúncia afirmou que ainda não recebeu nenhuma informação sobre o paradeiro do trio. O órgão disse que as denúncias podem ser feitas pelos números (21) 2253-1177 ou (21) 98849-6099. O anonimato é garantido. A família das vítimas se uniram e fizeram uma vaquinha de R$ 5 mil de recompensa para quem tiver informações do paradeiro de ambos.

A assessoria de imprensa da Polícia Civil disse que o caso foi registrado na 50ª DP (Itaguaí) e a investigação está em andamento. A instituições destacou que avalia se o caso ficará na distrital ou se será transferido para a DHBF.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos