Polícia Civil investiga se morte de jovem de 28 anos em Belo Horizonte teve motivação política

Após a vitória do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na noite deste domingo, um apoiador de Jair Bolsonaro (PL), não teve a identidade revelada pela Polícia Civil, assassinou a tiros o jovem Pedro Henrique Dias Soares, de 28 anos, na garagem de sua casa no bairro Nova Cintra, em Belo Horizonte. O suspeito, de 36 anos, também baleou outras quatro pessoas ao final da apuração: duas mulheres de 47 anos, uma de 40 e uma criança de 12. O caso é investigado como crime de motivação política.

Reconhecimento: Biden telefona para Lula e ressalta a 'força das instituições democráticas' do Brasil

Dia seguinte: Bolsonaro chega ao Palácio do Planalto e permanece em silêncio sobre vitória de Lula nas eleições

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito estava sob o efeito de álcool quando decidiu sair em "busca de traficantes". Ele relatou aos agentes que "atirou aleatoriamente" ao sair de casa. As primeiras vítimas foram duas mulheres : uma de 47 e outra de 40, ambas atingidas de raspão e encaminhadas para a UPA Oeste.

Em seguida, ele avistou a garagem em que Pedro e sua família comemoravam a vitória de Lula. A mãe, de 47 anos, e uma prima, de 12, decidiram abrir o portão da casa para festejar na rua. Foi quando o suspeito atirou nos três. Todos foram encaminhadas ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, mas o jovem não resistiu aos ferimentos no abdômen e no ombro.

Mapa da apuração: veja os resultados da eleição em todo o país

À Record TV, uma tia de Dias relatou que dez pessoas estavam no local acompanhando a apuração dos votos. Entre elas, havia também apoiadores de Bolsonaro.

A Polícia Militar apreendeu duas armas de fogo — uma pistola calibre 9mm e uma 380 — e uma faca. Na casa do detento, uma arma de fogo e mais 500 munições foram encontradas.

A Polícia Civil investiga o caso com motivação política, mas nenhuma linha foi descartada. O suspeito foi preso em flagrante pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio. A defesa dele alega surto psicótico e não cunho político.