Polícia Civil prende suspeito de envolvimento na morte de investidor de criptomoedas, em agosto

·1 min de leitura

O homem suspeito de ser o executor do homicídio do investidor de criptomoedas e influenciador digital Wesley Pessano Santarém, de 19 anos, em 4 de agosto, foi preso na manhã desta quinta-feira. Policiais civis da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) encontraram Luiz Fillipe Vieira Cherfan Tavares, conhecido como Branquinho ou Playboy, na Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio, onde estava escondido. O crime aconteceu na cidade de São Pedro da Aldeia.

Contra Luiz Felipe foi expedido o mandato de prisão preventiva durante a operação Pullback (expressão que remete a um movimento de correção repentino que contraria a tendência do mercado). A investigação, a cargo da 125ª DP, já prendeu outros suspeitos por envolvimento no caso. Wesley Pessano foi morto a tiros no município da Região dos Lagos, no São João. Morador de Cabo Frio, ele estava chegando para cortar o cabelo e, ainda dentro do carro, um Porsche Boxster vermelho, acabou baleado quando outro veículo emparelhou.

A prisão de Branquinho é a mais recente referente ao caso. Ele também é investigado pela especializada por ter ligações com o traficante Thiago da Silba Folly, o TH. Segundo a polícia, Branquinho foi localizado durante uma investigação sobre o tráfico de drogas no Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio.

Esta é a sétima prisão sobre o caso do homicídio de Wesley. Agora Fabio Natan do Nascimento, também suspeito pelo crime segue foragido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos