Polícia conclui inquérito de Paraisópolis, e PMs são indiciados por homicídios culposos

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 01.12.2019: Frases pichadas no chão próximo a viela onde ocorreram as mortes durante ação policial em baile funk na comunidade de Paraisópolis. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 01.12.2019: Frases pichadas no chão próximo a viela onde ocorreram as mortes durante ação policial em baile funk na comunidade de Paraisópolis. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Polícia Civil conclui o inquérito sobre ação policial que terminou com a morte de nove jovens durante um baile funk, conhecido como Baile da DZ7, em Paraisópolis (zona sul de São Paulo), e indiciou por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar, nove dos 31 policiais militares envolvidos na operação ocorrida em dezembro de 2019. O caso foi encaminhado ao Ministério Público, que tem 15 dias para se posicionar e oferecer denúncia.

Em nota, a SSP (Secretaria da Segurança Pública de São Paulo) disse que todas as circunstâncias relativas aos fatos foram investigadas por meio de inquéritos pelo DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) e pela Polícia Militar. Procurada, a Ouvidoria da Polícia Militar não respondeu à reportagem.

Segundo a nota da SSP, ambas as investigações foram encaminhadas à Justiça e nove policiais foram indiciados por homicídio culposo.

Também em nota, o Ministério Público do Estado de São Paulo disse que o caso foi encaminhado à Promotoria de Justiça, que irá analisá-lo. Os promotores têm 15 dias contados a partir desta quarta-feira (30), para oferecimento da denúncia.

O estudante de geografia Danylo Amilcar, 20, irmão de Denis Henrique Quirino da Silva, de 16 anos, um dos jovens mortos em Paraisópolis, criticou a decisão. "Houve dolo sim", disse.

Segundo Amilcar, o mais importante é que o MP reconheça o homicídio como doloso. "Estamos impaciente com a demora do Estado para dar respostas, mas seguimos juntos para lutar contra a impunidade", enfatizou.

O presidente da União dos Moradores e do Comércio de Paraisópolis e do G10 Favelas, Gilson Rodrigues, diz que é como se os jovens fossem encurralados pisoteados e mortos novamente. "Acreditamos que existem no processo uma série de evidências que mostram que os PMs assumiram o risco de provocar morte", ressaltou

Também em nota o advogado de defesa de 20, dos 31 dos policiais militares, envolvidos na ocorrência, Fernando Fabiani Capano, disse que após a conclusão do inquérito, por meio do relatório produzido pelo delegado responsável, a defesa "irá aguardar o juízo de valor que fará o Ministério Público acerca das investigações".

A defesa afirma esperar que a Promotoria conclua "pela completa ausência de nexo de causalidade entre a conduta dos policiais que atenderam a ocorrência e as mortes dos jovens na tragédia do Paraisópolis.

A nota segue dizendo que "tais lamentáveis perdas aconteceram em razão direta de correria ocasionada pela invasão de motocicleta, com dois indivíduos, que entraram atirando no fluxo do baile".

"Acaso a Promotoria entenda de maneira diversa, a defesa trabalhará até o fim, utilizando-se dos expedientes legais, para absolver os policiais e responsabilizar os verdadeiros culpados pelo lamentável episódio. Apenas assim se fará Justiça", afirma a defesa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos