Polícia da Irlanda do Norte acusa loyalist de incidente com ministro das Relações Exteriores

Por Amanda Ferguson

BELFAST (Reuters) - Um importante trabalhador comunitário loyalist da Irlanda do Norte foi acusado de crimes com armas de fogo neste sábado, após ser detido em investigação de sequestro e armação de dispositivo suspeito em uma van que tinha como alvo o ministro irlandês das Relações Exteriores, Simon Coveney.

Detetives da unidade de investigação de terrorismo da Irlanda do Norte acusaram Winston Irvine, de 46 anos, de porte de arma de fogo e munição em circunstâncias suspeitas, porte de arma de fogo proibida e porte de arma e munição sem certificado.

Um policial disse ao tribunal que os agentes policiais preparavam-se para prender Irvine por outro motivo, quando o observaram conversando com um homem que pegou um item de sua van. Irvine retornou ao porta-malas de seu carro, fechou-o e, quando foi parado, policiais supostamente encontraram uma bolsa com as armas de fogo.

Irvine disse à polícia que os itens não tinham relação com ele, e seu advogado, que o descreveu como um "renomado construtor da paz", disse ao tribunal que ele levava a bolsa de uma pessoa a outra.

O juiz George Conner recusou a fiança após a polícia se opôr à medida, sob o argumento de que Irvine poderia atrapalhar a investigação e que sua libertação poderia aumentar as tensões da comunidade, levando à desordem. A polícia disse que a prisão teve "características de uma operação paramilitar".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos