Polícia descobre grupo que planejava saques a estabelecimentos comerciais no Rio

Carolina Heringer

A Polícia Civil descobriu que um grupo se organizava para realizar saques a supermercados e lojas de departamentos durante o período de combate ao novo coronavírus no estado do Rio. Anízio Michel Ferreira da Silva, o Michelzinho, foi preso na manhã desta segunda-feira por policiais da 55ª DP (Queimados) suspeito de fazer parte do esquema criminoso.

Os policiais descobriram que foi criado um grupo no WhatsApp no último sábado, denominado “Só Saque”, no qual eram trocadas mensagens planejando as ações. Diversos áudios enviados no grupo viralizaram no último fim de semana, causando apreensão na população.

Michelzinho atua como vendedor ambulante. Levado para a delegacia, os policiais constataram que o telefone celular usado por ele era furtado. Ele participava do grupo de Whatsapp no qual eram planejados os ataques. Em depoimento, o ambulante admitiu que os saques seriam realizados por cerca de 150 pessoas, e citou os estabelecimentos que seriam alvo do grupo.

“Papo pra geral, mano. Vamos começar disfarçado de protesto. Estamos aguardando as ordens. Mas o papo é esse ái mesmo. Faz uma faixas de papelão, coisa rápida com tinta branca e finge que nóis (sic) tá na rua como, protestando. Na verdade, daqui a pouco aquela multidão se espalha, saqueando tudo quanto é mercado que vir no caminho”, diz um dos áudios aos quais o EXTRA teve acesso.

“Geral sabe que é só rango, nenhum aparelho doméstico. Não crescer o olho em nada. Bagulho é só rango que aí Deus vai tá como, com nós mesmo”, afirmou um homem em outra gravação.

O ambulante foi autuado pelos crimes de incitação ao crime e receptação. O celular usado por ele havia sido furtado na estação Alvorada do BRT em novembro do ano passado.