Polícia dos EUA investiga cliente que foi a supermercado com capuz da KKK

Membros da Ku Klux Klan usam seus capuzes brancos típicos nesta fotografia em Maryland em 2013

As autoridades da Califórnia iniciaram uma investigação sobre um homem que foi visto em um supermercado usando um capuz da Ku Klux Klan, em meio a regulamentos que exigem que os consumidores cubram o rosto para se proteger do novo coronavírus.

"Fiquei espantado, atordoado porque é muito triste quando alguém, independentemente da razão, se volta para esse tipo de símbolo que representa o ódio", disse John Minto, prefeito da cidade de Santee, perto de San Diego, ao canal local da ABC.

Uma foto feita por um cliente mostra o homem de camiseta escura, short e o capuz branco na cabeça fazendo compras numa loja da rede de supermercados Vons.

O Departamento de polícia de San Diego abriu uma investigação sobre o fato, que ocorreu no sábado.

"Nossos policiais não receberam uma ligação para aparecer no local quando o incidente ocorreu", afirmou a autoridade em comunicado.

O fato "está sendo investigado para aplicar quaisquer acusações criminais apropriadas", aponta o comunicado do departamento.

Os funcionários da loja, localizada a 29 km a nordeste de San Diego, pediram ao homem para tirar o capuz, o que ele fez apenas quando foi ao caixa para pagar.

Tammy Gillies, diretora regional da organização da liga judaica anti-difamação, condenou o incidente no Twitter, dizendo que San Diego não era um lugar de ódio.

Tiam Tellez, que tirou as fotos, descreveu o incidente como "nojento" em uma postagem no Facebook.

"Me incomoda muito que isso aconteça em Santee", escreveu.

O homem não identificado usava o capuz no meio de uma ordem para usar mascara facial em locais públicos que entrou em vigor na semana passada no condado de San Diego.