Promotoria confirma que há pelo menos uma morte em tomada de reféns na França

Paris, 23 mar (EFE).- A promotoria antiterrorista de Paris informou nesta sexta-feira à Agência Efe que investiga pelo menos um assassinato na tomada de reféns em um supermercado em Trèbes, no sul da França, por parte de um suposto terrorista.

O Ministério Público abriu uma investigação por "assassinato em relação com um projeto terrorista", "tentativa de assassinato em relação com um projeto terrorista", "sequestro em relação com um projeto terrorista" e "associação criminosa terrorista".

O prefeito de Trèbes, Éric Menassi, informou anteriormente que pelo menos duas pessoas tinham sido atingidas por disparos na tomada de reféns, mas não especificou se elas estão vivas ou não.

Menassi disse à emissora "BFMTV" que, neste momento, o autor do sequestro está sozinho no interior do estabelecimento e mantém um gendarme como refém, enquanto os clientes e funcionários do supermercado puderam sair.

Forças do Grupo de Intervenção da Gendarmaria Nacional (GIGN), unidade de elite dessa corporação especializada em situações de crise, chegaram ao local, onde a tomada de reféns continua, disseram à Efe fontes do Ministério do Interior.

O primeiro-ministro da França, Édouard Philippe, assinalou que se trata de uma "situação grave" e confirmou a tomada de reféns e que houve disparos.

O titular de Interior, Gérard Collomb, está a caminho de Trèbes neste momento para acompanhar o desenvolvimento dos eventos, disseram à Efe fontes do ministério.

A promotoria antiterrorista de Paris assumiu as investigações deste incidente, o que indica uma possível motivação terrorista na tomada de reféns, confirmaram à Efe fontes do Ministério do Interior francês.

Os veículos de imprensa franceses assinalaram que o suposto autor do sequestro alegou vínculos com o grupo terrorista Estado Islâmico. EFE

er-ac/rpr