Polícia entra em confronto com manifestantes de direita em marcha LGBTQ na Sérvia

BELGRADO (Reuters) - A polícia entrou em confronto com manifestantes de direita neste sábado em Belgrado, quando milhares de pessoas se juntaram a uma marcha LGBTQ na Sérvia para marcar o fim da semana EuroPride, evento realizado a cada ano em uma cidade europeia diferente.

A polícia entrou em confronto com dois grupos de direita que tentavam interromper a marcha, disse a primeira-ministra Ana Brnabic, acrescentando que 10 policiais ficaram levemente feridos, cinco carros de polícia, danificados e 64 manifestantes foram presos.

"Estou muito orgulhosa por termos conseguido evitar incidentes mais sérios", disse Brnabic, que é a primeira primeira-ministra homossexual da Sérvia, a repórteres.

Após protestos de nacionalistas e grupos religiosos, o governo proibiu a marcha na semana passada. Mas diante dos apelos de autoridades da União Europeia e ativistas de direitos humanos, permitiu que a marcha acontecesse, mas com um caminho mais curto.

Os participantes caminharam então várias centenas de metros até o estádio Tsmajdan, onde ocorreu um show de música.

O embaixador dos Estados Unidos na Sérvia, Christopher Hill, e o relator especial do Parlamento Europeu para a Sérvia, Vladimir Bilcik, participaram da marcha.

Governos sérvios anteriores proibiram paradas do Orgulho LGBT, atraindo críticas de grupos de direitos humanos e outros. Algumas marchas do Orgulho LGBT no início dos anos 2000 encontraram forte oposição e foram marcadas pela violência.

Mas marchas do Orgulho LGBT recentes na Sérvia transcorreram pacificamente, uma mudança citada pelos organizadores do EuroPride como uma das razões pelas quais Belgrado foi escolhido como anfitrião deste ano. Copenhague foi a anfitriã em 2021.

A Sérvia é candidata à adesão à UE, mas deve primeiro atender às demandas para melhorar o Estado de direito e seu histórico para direitos humanos e minorias.

(Reportagem de Ivana Sekularac)