Polícia faz operação em condomínio da Praça Seca após denúncia sobre invasão da milícia

Extra
·2 minuto de leitura
Moradores denunciam que milicianos passaram a extorquir e expulsar pessoas de condomínio na Praça Seca
Moradores denunciam que milicianos passaram a extorquir e expulsar pessoas de condomínio na Praça Seca

Policiais civis da 28ª DP (Praça Seca) estiveram hoje em um condomínio na Rua Barão, na Praça Seca, Zona Oeste do Rio, após denúncias de que milicianos estavam extorquindo e expulsando moradores do local.

De acordo com a Civil, uma pessoa que estava em um imóvel que teria sido negociado por milicianos foi conduzida a delegacia para prestar esclarecimentos. Ele apresentou documento de compra e venda do apartamento, com a intermediação da associação de moradores da comunidade Nova Barão. A documentação também será objeto de análise e investigação.

Como publicado pelo EXTRA nesta segunda-feira, integrantes de uma organização criminosa da região de Jacarepaguá começaram a bater de porta em porta para cobrar taxas de segurança dos 7 blocos com 270 apartamentos. Além disso, pelo menos seis apartamentos cujos proprietários não estavam em casa foram vendidos no espaço de tempo de cerca de três meses. Os imóveis já estão ocupados por outras famílias.

Um morador denunciou que por causa de sua recusa em ceder à pressão dos milicianos, jovens com pouco mais de 18 anos enviados para a cobrança, ele passou a fazer um rodízio com as pessoas que moram com ele para que o imóvel não fique vazio. O homem conta que um senhor de idade em cuja porta eles bateram recentemente quase infartou. Segundo ele, vizinhos foram, há cerca de duas semanas, na 28ª DP fazer uma denúncia.

— Mas o policial disse que não dava para abrir uma ocorrência por que quem tem que fazer isso é o próprio morador lesado.

Procurado antes da operação, o delegado titular da 28ª DP, Antônio Ricardo Nunes, disse que o policial agiu de forma errada e pediu aos moradores para retornar à delegacia nesta segunda-feira.

— Esse policial não agiu corretamente. Se for identificado será punido. peço aos moradores que retornem à delegacia para conversar comigo pessoalmente — pediu Antônio Ricardo.