Polícia fecha fábrica em Maricá que misturava óleo de soja no azeite e vendia como produto importado

·1 minuto de leitura

A polícia interditou nesta terça-feira, em Maricá, na Região Metropolitana do Rio, uma fábrica clandestina que adulterava azeites importados. As investigações a cargo da 82ª DP (Maricá) constataram que o produto original era retirado da garrafa, misturado a óleo de soja, engarrafado novamente para ser repassado aos clientes.

De acordo com as investigações, para cada mil litros de azeite eram adicionados 4 mil litros de óleo de soja. O produto adulterado era colocado em garrafas falsificadas e vendido como sendo azeite importado. A manobra grarantia aos falsificadores um lucro de 400%, segundo a polícia.

A fábrica clandestina ficava em Itaipuaçu e foi descoberta pela polícia em julho deste ano. A perícia constatou que o produto comercializado por ela era falsificado.
Ninguém foi preso. Mas, segundo a polícia, os proprietários podem ser indiciados por crimes contra a economia popular e relação de consumo e contra a propriedade industrial, com pena que pode passar 5 anos de prisão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos