Dois jornalistas acusados de sedição após paralisação de jornal pró-democracia em Hong Kong

·3 min de leitura
Dois policiais de Hong Kong com evidências dos escritórios do jornal Stand News após a operação e prisões de 29 de dezembro de 2021 (AFP/Daniel Suen)

A polícia de Hong Kong acusou, nesta quinta-feira (30), dois membros do jornal pró-democracia Stand News de "conspirarem para publicar" informações sediciosas, após uma operação contra o veículo, em um contexto de crescente deterioração da liberdade de imprensa no território semiautônomo chinês.

"O Departamento de Segurança Nacional da Polícia (...) acusou oficialmente dois homens de 34 e 52 anos e um meio digital de conspiração para publicar conteúdo sedicioso", declarou a polícia em um comunicado.

A mídia local noticiou que os acusados são o editor Patrick Lam e seu antecessor Chung Pui-ken. Ambos foram presos na quarta-feira (29), junto com outras cinco pessoas ligadas ao veículo.

A editora da publicação, Best Pencil, também está sendo processada.

Eles também foram acusados de promover "ódio", "desprezo" e "violência" contra o governo, além de "incitar à insatisfação".

Nesta quinta-feira, o tribunal se recusou a conceder fiança aos dois homens, provocando indignação na audiência, composta em grande parte por funcionários do Stand News.

Apenas Chung compareceu, acenando com a cabeça para aqueles que o apoiavam. Lam, de acordo com seu advogado, estaria no hospital.

Na quarta-feira, a polícia fez buscas na redação e nas residências de seus funcionários, apreendendo telefones, computadores, documentos e mais de US $ 64.000 em dinheiro, disse a polícia. Também bloqueou HK $ 61 milhões da editora.

A publicação anunciou seu fechamento poucas horas após a operação e as prisões.

A mídia local indicou que entre os presos estavam quatro membros da direção demitidos em junho, incluindo a localmente consagrada Denise Ho e a advogada Margaret Ng.

O Stand News é o segundo veículo pró-democracia a ser fechado em Hong Kong, após uma operação policial. Em junho, o Apple Daily, muito crítico de Pequim, fechou as portas, depois do congelamento de seus bens e da prisão de vários de seus executivos.

- Condenação internacional -

Sentado entre os presentes no julgamento, um jornalista do Stand News que trabalha lá desde sua criação em 2014 disse à AFP que se sentiu "vazio e impotente": "Não fizemos nada além de relatar os fatos."

Estados Unidos, Canadá e União Europeia condenaram a operação.

"Ao silenciar a mídia independente, a RPC (República Popular da China) e as autoridades locais minam a credibilidade e a viabilidade de Hong Kong", comentou o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

A chefe do governo de Hong Kong, Carrie Lam, reagiu, afirmando que concordava com uma parte da declaração de Blinken, em que ele diz que "jornalismo não é sedição".

"Jornalismo não é sedição, mas as ações e as atividades sediciosas e a incitação de outras pessoas por meio de ações públicas não podem ser toleradas sob o pretexto de cobertura jornalística", declarou Lam.

O governo chinês também respondeu às críticas.

"Algumas forças externas, sob o pretexto de defenderem a liberdade de imprensa, têm feito declarações irresponsáveis sobre a aplicação da lei em Hong Kong", comentou o porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Zhao Lijian.

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas descreveu a ação como "um ataque aberto à já violada liberdade de imprensa de Hong Kong".

- "Editorialmente independente" -

Fundado como uma publicação digital sem fins lucrativos em 2014, o Stand News foi indicado ao prêmio Liberdade de Imprensa da organização Repórteres Sem Fronteiras em novembro deste ano.

"O Stand News era editorialmente independente e se dedicava a proteger os valores centrais de Hong Kong, como a democracia, os direitos humanos, a liberdade, o Estado de direito e a justiça", afirma o comunicado de despedida.

Durante os grandes protestos pró-democracia de 2019 - em alguns momentos violentos -, a polícia entrou em confronto com vários repórteres do Stand News.

Após essas manifestações, Pequim aumentou o controle sobre a ex-colônia britânica. A principal medida foi a imposição, em junho de 2020, de uma lei de segurança nacional usada para a detenção de vários opositores.

A Associação de Jornalistas de Hong Kong e o Clube de Correspondentes Estrangeiros expressaram "profunda preocupação" e pediram respeito à liberdade de imprensa.

hol/jah/dbh/mas/me/mr/tt/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos