Polícia identifica ao menos 20 farmácias que seriam usadas pela milícia para lavar dinheiro

Rafael Nascimento de Souza
·2 minuto de leitura
Policial interditou farmácia em Madureira por irregularidades durante operação contra lavagem de dinheiro da milícia
Policial interditou farmácia em Madureira por irregularidades durante operação contra lavagem de dinheiro da milícia

Pelo menos 20 farmácias que seriam utilizadas pela milícia são alvos de mandados de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira. Os estabelecimentos, segundo a Polícia Civil, são usados para lavar o dinheiro do grupo paramilitar que atuam principalmente nas Zonas Oeste e Norte. Um dos alvos é um endereço em Madureira e duas grandes redes de drogarias que são de Campo Grande. O Conselho Regional de Farmácia (CRF) acompanha a fiscalização. Até as 11h20, 10 pessoas foram presas

— Gerentes e responsáveis legais pelas farmácias foram presos. Encontramos medicamos de uso controlado sem autorização da Anvisa que configuram crimes contra a saúde pública. Estamos analisando alguns que poderão configurar crime de tráfico de drogas — Felipe Curi, delegado titular do Departamento Geral de Polícia Especializada

Segundo a Polícia Civil foram encontrados medicamentos de uso controlado e anabolizantes. Todas os produtos são levados para a Cidade da Polícia.

Essa é mais uma tentativa de atingir milicianos que atuam no estado e evitar que eles exerçam algum tipo de influência nas eleições deste ano. Esta é uma ação da força-tarefa da Polícia Civil, criada para combater o crime organizado na Baixada Fluminense e também na Zona Oeste e permitir uma "eleição livre" na região.

Em uma farmácia da Rua Carvalho de Souza, em Madureira, os investigadores verificaram os documentos do estabelecimento e vasculharam o depósito onde ficam armazenados medicamentos. Às 10h a polícia determinou que o local fosse fechado. Pelo menos sete funcionários trabalhavam no lugar.

Na farmácia Cumani, em Madureira, dois funcionários foram conduzidos à Cidade da Polícia para prestarem esclarecimentos. A farmácia foi interditada. Além disso, os investigadores apreenderam documentos e medicamentos.

Os agentes tambem estão em Campo Grande, Santa Cruz, Cosmos, Paciência e Urucrânia (sub-bairro da Zona Oeste).

Esta é mais uma megaoperação contra o braço financeiro do grupo paramilitar chefiada por Wellington da Silva Braga, o Ecko. A ação tem como objetivo asfixiar as fontes de renda e interromper comércios e serviços ilegais, que geram lucro para a organização criminosa.

Somente este mês, dois candidatos a vereador em Nova Iguaçu foram assassinados. Mauro Miranda da Rocha (PTN) foi morto no dia 1º em uma padaria. Quase dez dias depois, Domingos Barbosa Cabral (DEM), também foi morto a tiros no município.

A operação desta quarta-feira conta com as equipes dos Departamentos de Polícia Especializada. Além da Delegacia do Consumidor (Decon), Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD); Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM); Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA); Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) e Divisão de Capturas da Polícia Interestadual (DC-Polinter).