Polícia indicia por negligência dono de pitbull que atacou e matou idosa na Baixada Fluminense

A polícia indiciou o motorista de ônibus Alexsandro Cardoso, dono do pitbull que atacou e matou idosa na Baixada Fluminense. Para o delegado José de Moraes Ferreira, da 57ª DP (Nilópolis), houve negligência. Mais cedo, uma parente do motorista, Cristiane Cardoso, tinha dito que o animal da família era dócil e nunca havia atacado ninguém.
— A mecânica está dada. Ele (o cão) estava no terceiro andar e chegou na rua. Tem escadas, portão. Estou indiciando ele por ser o dono do cachorro. O próprio filho da vítima disse que via o cachorro no terraço. Se ele chega na rua, alguém deixou o portão aberto. Ele não pulou do terceiro andar. Essa é uma hipótese menos plausível — disse o delegado.
A delegacia estuda, agora, as possibilidades para que o animal seja retirado do local o mais rápido possível, por apresentar risco.
— Estamos tentando alguém para ficar com o cachorro. Por enquanto, não sabemos onde. O dono está indiciado. Não há prisão em flagrante, não há mandado de prisão. Está regularmente identificado, prestou depoimento e vai para casa — explicou o delegado.
Por volta das 14h, agentes da Guarda Ambiental Municipal de Nilópolis chegaram à 57ªDP para auxiliar no processo de retirada do pitbull.

Na delegacia, Alexsandro Cardoso, disse que estava trabalhando quando o ataque aconteceu e conta que já teve outros cães da mesma raça, mas que nunca passou por uma situação parecida. Ele foi informado pela filha de que o pitbull tinha atacado a vizinha.
— Eu sinceramente não entendo o que possa ter acontecido. Tenho filmagem dele brincando com barata, jogando bola com meu enteado de quatro anos. Cachorro na minha vida nunca mais, vou procurar uma instituição que possa cuidar e dar carinho, porque o cachorro não sabe o que faz, mas eu não vou ter mais condições — disse.
Emocionado, Alexsandro contou que encontrou o filho da vítima, Joselina Cerqueira, e pediu perdão.
— É como se eu tivesse perdido a minha mãe. Só peço perdão a todos. Eu não tive culpa, o cachorro fica no terceiro andar. Já estive com o filho e pedi perdão. Eu nunca vou esquecer isso — afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos