Polícia investiga ataque a vereadora do PT seguido de morte de bolsonarista no RS

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - Um ataque ao carro de uma vereadora do PT terminou com a morte de um produtor rural bolsonarista em Salto do Jacuí, na região central do Rio Grande do Sul, a cerca de 290 quilômetros de Porto Alegre. Luiz Carlos Ottoni, 46, morreu ao se acidentar fugindo do local.

Conforme a vereadora Cleres Relevante (PT), 49, o ataque ocorreu por volta das 15h30 desta terça-feira (13) na avenida central do município, a Pio 12, quando ela se deslocava para casa acompanhada de uma assessora em um veículo Corolla adesivado com os rostos de cinco candidatos do PT no vidro traseiro. Entre eles estava a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Cleres disse ter percebido pelo retrovisor que era perseguida pela camionete Hilux, que cantou pneus e acelerou em sua direção. Em seguida, a camionete atingiu com força a traseira do seu carro.

Depois, teria dado ré e fugido pela esquerda do carro da vereadora. Conforme Cleres, ela acionou um veículo da Brigada Militar que passava. A vereadora disse que chegou a realizar buscas pelo agressor, sem sucesso.

Em meio ao atendimento da ocorrência, a Brigada Militar foi comunicada por telefone que a camionete de Ottoni havia se acidentado. Após cruzar a ponte sobre o Rio Jacuí, distante cerca de três quilômetros dali, o motorista perdeu o controle do veículo e bateu contra um barranco em uma estrada vicinal.

O resgate foi acionado, mas Ottoni foi ejetado do veículo e morreu na hora, segundo a polícia. Cleres e a assessora prestaram depoimento na tarde desta quarta (14) na delegacia da Polícia Civil de Salto do Jacuí, que investiga o caso.

A vereadora petista disse não ter dúvida de que a batida em sua traseira foi proposital, pela postura do produtor rural no episódio e também por situações pregressas, em que ela disse ter sido agredida verbalmente em público por ele.

"É uma cidade pequena [12,5 mil habitantes]. Todos nos conhecemos. Então reconheci o carro dele imediatamente quando senti a batida e olhei com atenção ao retrovisor. Me sinto acuada e temerosa, mas vou procurar me recompor para voltar ao trabalho", disse a vereadora.

O acidente fatal de Ottoni foi sabido no município antes que viesse à tona a agressão à vereadora com possível motivação política. O fato foi divulgado depois que a vereadora publicou em suas redes sociais a imagem do seu carro amassado e ela foi compartilhada pelo presidente estadual do PT, Paulo Pimenta.

A publicação pública mais recente de Ottoni numa rede social exibe uma imagem da página SomostodosBolsonaro, de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), em que uma abelha sobre o número 22 conversa com uma mosca sobre o número 13.

O texto diz: "Por mais que a abelha tente explicar para a mosca que a flor é melhor do que o lixo, a mosca jamais entenderá. Cada um vive a verdade que acredita."

O incidente no interior do Rio Grande do Sul se soma a outros de violência política com morte nas eleições presidenciais de 2022. Em 9 de julho, um policial penal bolsonarista invadiu a festa de aniversário e matou a tiros o militante petista Marcelo Aloizio de Arruda, 50, em Foz do Iguaçu (PR). Arruda revidou baleando o agressor, que foi hospitalizado e preso preventivamente.

Na última quinta-feira (8), em Confresa (MT), um homem matou a facadas o colega de trabalho Benedito Cardoso dos Santos, 44, depois de uma discussão política em que Santos defendia Lula. O agressor foi preso preventivamente.