Polícia investiga se plantação de skunk abastecia tráfico da Baixada e de parte do Rio

·1 min de leitura

RIO — A Polícia Civil investiga a informação de que uma plantação de skunk (também conhecida como supermaconha ou skank), localizada por agentes da 48ª DP (Seropédica) em uma casa transformada numa espécie de estufa, abasteceria um esquema de venda de drogas pela internet. A comercialização aconteceria a partir de contatos feitos em redes sociais. Suspeita-se que o material era vendido para traficantes de parte da Baixada Fluminense e de pontos dos município do Rio de Janeiro.

A plantação foi localizada após uma denúncia anônima, nesta segunda-feira. Dentro de três quartos de uma casa, no Bairro Boa esperança, em Seropédica, os agentes encontraram 50 pés de skunk.

A plantação era cultivada com auxílio de lâmpadas especiais. No local, também foi encontrado adubo e sacos de terra.

Durante aoperação, uma mulher foi presa em flagrante. Ela foi autuada por associação para o tráfico e por corrupção ativa, já que teria tentado subornar os policiais para não ser detida.

Os pés de skunk estavam plantados em pequenos vasos. Eles foram apreendidos e transportados para delegacia em carros da Polícia Civil. A mulher presa trabalharia para o proprietário da droga apreendida. Segundo a polícia, o dono da plantação já foi identificado.

Sua identidade não foi revelada para não atrapalhar as investigações. O valor estimado da droga apreendida não foi informado pela polícia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos