Polícia investiga se traficantes estão envolvidos no desaparecimento de motorista de aplicativo

A Polícia Civil investiga se o traficante Marcos Vinícius dos Santos, o Chapola, suspeito de comandar o tráfico no Morro do Dendê, na Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio, está envolvido no desaparecimento do entregador de supermercados Thiago Gomes dos Santos, de 28 anos. Thiago não é visto desde o último domingo, quando foi trabalhar como motorista de aplicativo.

Assaltos em Ipanema: Bandidos aramados atacam pedestres

Violência no Rio: Bandidos se passam por por entregadores de aplicativo para executar roubos

De acordo com investigações preliminares da 17ª DP ( São Cristóvão), o carro dirigido pelo motorista foi visto no Morro do Dendê pouco depois de o motorista ter transportado um passageiro para as proximidades da comunidade, que tem o comércio de drogas controlado por Chapola. Um dos bandidos mais procurados do Rio, Marcos Vinícius é acusado de integrar uma facção criminosa que atua no estado. Ele assumiu o comando do Dendê, em 2019, depois que o traficante Fernandinho Guarabu, então chefe do tráfico no morro, foi morto em junho daquele ano, em uma troca de tiros com policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar.

Além de Chapola, um bandido conhecido como Neves, que morreu numa troca tiros com policias nesta terça-feira, na Ilha do Governador, também estaria envolvido no desaparecimento do motorista de aplicativo. O carro que Thiago dirigia foi encontrado, nesta segunda-feira, com os documentos dele em seu interior, estacionado próximo à feira de tradições nordestinas, em São Cristóvão, também na Zona Norte do Rio.

População pede patrulhamento: Vídeos de assaltos em Ipanema: roubo a pedestre subiu até 34% no bairro em relação ao ano passado

A polícia tenta descobrir o que teria acontecido com Thiago. Neuseli Gomes da Silva, mãe do jovem, fez nesta quarta-feira, um apelo para que a polícia não pare de fazer buscas pelo filho.

— Quero meu filho de volta do jeito que ele estiver. A polícia tem que continuar procurando para saber o que aconteceu com ele. Não durmo direito desde do dia em que meu filho sumiu. Estou a poder de remédios. A última vez que ele falou comigo foi no domingo, quando pegou o carro para ir trabalhar. Thiago é um menino bom, e não tem inimigos. Ele falava comigo várias vezes ao dia, praticamente me ligava de dez em dez minutos. Não iria ficar sem se comunicar tanto tempo caso algo não tivesse acontecido — disse Neuseli.

Segundo Neuseli, seu filho começou a trabalhar como motorista de aplicativo no último dia 16 para ganhar uma renda extra e pagar dívidas.

Múltiplos abusadores: Com mais de um caso por dia, estado do Rio registrou 4 mil estupros coletivos em dez anos

— Ele é um anjo, uma pessoa boa. É entregador de carteira assinada, mas começou a trabalhar também como motorista de aplicativo para pagar dívidas. Ele perdeu a noiva que faleceu há pouco tempo por conta de uma doença. Gastou muito com despesas para ajudar no tratamento. Por isso, no domingo, pediu para pegar meu carro para ir trabalhar no aplicativo — contou.

O carro que Thiago dirigia passou por uma perícia, mas não foram encontrados vestígios de sangue. Inicialmente a 17ª DP concentrou as investigações sobre o caso. Como o motorista continua desaparecido o inquérito deverá ser transferido para Delegacia de Descoberta de Paradeiros ( DDPA).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos