Polícia investiga tráfico no desaparecimento de três crianças na Baixada Fluminense

Marcos Nunes
·3 minuto de leitura
Cléber Júnior / Agência O Globo

Rio-A Polícia Civil informou, nesta quarta-feira, que a principal linha de investigação seguida para apurar o desaparecimento de três crianças, ocorrido em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, no último dia 27, é a de que o sumiço dos meninos, com idades variando entre 8 e 11 anos, tenha tido participação de traficantes do Morro do Castelar, também localizado no mesmo município.

Segundo o secretário de Polícia Civil, Allan Turnowski, o fato do tráfico ter torturado um homem para que ele confessasse o crime e a queima de um ônibus, a menos de 200 metros da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), ocorrida nesta terça- feira, fizeram a polícia acreditar no envolvimento de traficantes no episódio.

A DHBF é a delegacia que investiga o desaparecimento dos meninos. Pouco depois do incêndio ao ônibus, um grupo de moradores chegou a se aglomerar, nas proximidades da delegacia, pedindo justiça para o caso. As três crianças foram vistas pela última vez, no dia 27 de dezembro, em uma quadra de futebol de um condomínio, no Morro do Castelar.

A informação inicial era a de que os meninos teriam deixado o local para ir comprar ração para pássaros, em uma feira, no Bairro de Areia Branca, vizinho ao Castelar. A polícia, no entanto, não detalhou porque o tráfico poderia estar por trás do sumiço dos garotos.

—Após a descoberta de que traficantes sequestraram um homem, amarraram e apresentaram para as famílias dos garotos desaparecidos como sendo responsável pelo desaparecimento das crianças, assim como o fato da manifestação de ontem( de terça-feira) com um ônibus queimado ter tido incitação de pessoas ligadas ao tráfico de drogas, a Polícia Civil colocou como principal linha de investigação a participação de traficantes no desaparecimento dos meninos— disse o secretário de Polícia Civil.

Mãe de três filhos, a dona de casa Tatiana da Conceição Ribeiro, de 31 anos, não consegue se alimentar nem dormir direito há 17 dias. O motivo da insônia da dona de casa, que é mãe de três crianças, é o filho mais velho Fernando Henrique, de 11 anos. O garoto é um dos três meninos que desapareceu, no último dia 27 de dezembro, no Morro do Castelar, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

Nesta quarta-feira, ela reuniu forças para ir pessoalmente até a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense . Junto com a aposentada Silvia Regina, avó de Lucas e Alexandre, que sumiram junto com Fernando Henrique, ela tentava tentar saber notícias do filho e ainda para entregar uma sacola com roupas sujas de sangue, encontradas por moradores em uma casa do Morro do Castelar.

Segundo a polícia, o material deverá passar por exames de DNA para saber se o sangue pertence a alguns dos desaparecidos. Perguntada se tem esperança de reencontrar seu filho, a Tatiana respondeu deixando claro o tamanho de sua dor.

—Eu já não sei mais se meu filho está vivo ou não. Fico o tempo inteiro chorando em casa. Não estou comendo e nem durmo direito. Tenho mais dois filhos. O menorzinho, de um ano, não para de perguntar pelo irmão. Só sei que meu filho não ficaria tanto tempo assim fora de casa, por vontade própria. A gente quer o Fernando Henrique de volta— disse, a dona de casa.

Até a última terça-feira, o Disque-Denúncia (2253-1177) já havia recebido mais de 15 ligações com denúncias sobre o caso. Todas foram repassadas para a Polícia Civil e para a Polícia Militar. Nesta quarta-feira, agentes da DHBF deixaram a especializada em três carros para checar uma denúncia sobre uma pista para a localização das crianças, mas nada foi encontrado.

Um dia antes, um homem chegou a ser levado amarrado por moradores do Morro do Castelar, para a 54ªDP(Belford Roxo). Como havia um vídeo no telefone do homem, com cena pornográfica envolvendo menores, que na verdade eram seus enteados, ele chegou a ser espancando por traficantes e apontado como suspeito de envolvimento no sumiço dos três meninos.A DHBF investigou o caso e concluiu inicialmente não haver indícios de que o suspeito teria alguma participação no triplo desaparecimento.