Polícia investiga união entre milícias, tortura e extorsões na Gardênia Azul

·2 minuto de leitura

RIO - A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas (Draco) investiga uma aliança entre milicianos da Gardênia Azul, na Zona Oeste do Rio, e paramilitares da quadrilha de Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko. De acordo com as investigações, no início deste ano houve informações de que as duas quadrilhas estavam em guerra, mas em seguida teria sido estabelecida uma parceria entre os grupos.

Nesta segunda-feira, agente da Draco realizaram uma operação para prender 14 suspeitos de fazerem parte da milícia da Gardênia Azul. Nenhum dos foragidos foram encontrados. Dois dos alvos da ação - Gustavo Teixeira da Silva Nascimento e Leandro Siqueira de Assis, o Gargalhone - são apontados pela polícia como um dos chefes da organização paramilitar.

Gustavo está foragido e não foi localizado durante a operação. Segundo a polícia, ele saiu recentemente da cadeia. Já Gargalhone estava preso por outros crimes, mas estava prestes a ganhar liberdade. Os dois são apontados pelas investigações da Draco como responsáveis por fazer a aliança com a quadrilha de Ecko.

Além de comandar a quadrilha, Gustavo é suspeito de envolvimento em uma tortura ocorrida na comunidade na última semana.

Segundo informações da Draco, as investigações em andamento são pelos crimes de organização criminosa, tortura e extorsão. Foram expedidos 14 mandados de prisão temporária contra os suspeitos de fazerem parte do grupo paramilitar. Seis deles já estão presos - Gargalhone, Bruno Souza dos Santos, o Bruninho BR, Wellington de Moraes da Silva, o Munrá, Anderson Oliveira de Almeida, o PQD, Diogo Gomes da Silva, Novinho e José Lucas Evangelista.

São considerados foragidos Gustavo Teixeira da Silva Nascimento; Antônio Marcos Cavalcante Furtado, o Kiko ou Padrinho; Leandro Xavier da Silva, conhecido como Playboy de Curicica; Maicon Douglas Sanatana Bonifácio, Caco Negão; Luis Paulo Aragão Furtado, conhecido como Vin Diesel; Philip Mota Pereira, o Lesk; Marcelo da Conceição Pereira, o Mormai e Claudio Cesar Rocha, o Cara de Ferro.

Ainda de acordo com informações da Draco, será avaliada a transferência de Gargalhone para presídio federal de segurança máxima fora do estado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos