Polícia investiga vídeo em que milicianos proíbem jovens de circular com cabelo loiro em Rio das Pedras

Arthur Leal

RIO — Num vídeo amplamente compartilhado por moradores da comunidade de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio, homens supostamente ligados à milícia, que há anos comanda a região, aparecem abordando jovens, aparentemente menores de idade, que descoloriram o cabelo. Com um spray de tinta preta, um deles cobre os cabelos loiros dos rapazes de preto.

"Ou cabelinho ou bala", diz o suposto miliciano, que segura a lata de spray, "acabou o ano novo", acrescenta. O rapaz responde: "Não sou daqui, não!", e um dos homens reage, em tom de ameaça: "Melhor ainda, tá vivo!". Ele tenta novamente se explicar: "Sou de Sampa (São Paulo)", e o homem que faz a gravação do vídeo, então, intimida: "Tá reclamando? Tá reclamando?".

De acordo com a Polícia Civil, a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) já tem ciência da gravação e está analisando a procedência do vídeo. Apesar das intimidações, em nenhum momento homens aparecem armados na filmagem.

O ato de descolorir o cabelo é algo que se tornou comum no Rio de Janeiro, principalmente em datas festivas, como o Ano Novo e o Carnaval, por exemplo. O rapaz teria passado o réveillon com um amigo, que é morador de Rio das Pedras, e foi pego de surpresa pela "regra" imposta pelo crime organizado.

Um morador de Rio das Pedras, que por questão de segurança não quis se identificar, disse que a iniciativa do suposto paramilitar teve repercussão negativa na comunidade.

— Essa atitude deste homem, que aparece com o capacete na cabeça, foi muito mal recebida aqui em toda a comunidade. Pelo que eu sei, pegou mal inclusive entre os próprios milicianos — disse.