Polícia do Japão executa mandado de busca em casa de oficial dos Jogos Olímpicos de Tóquio

A polícia japonesa executou um mandado de busca na casa de um oficial dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 nesta terça-feira, acusado de receber dinheiro de um patrocinador com quem ele assinou um contrato de consultoria. Haruyuki Takahashi, de 78 anos, é suspeito de receber centenas de milhares de dólares da Aoki Holdings, um dos parceiros do evento, ocorrido no ano passado.

Mais de cem anos depois: COI devolve a americano medalhas de ouro conquistadas nas Olimpíadas de 1912

Seis anos após Rio-2016: Parque Olímpico ainda tenta justificar legado

A agência de notícias Kyodo informou que o caso dele pode se tratar de suborno, já que Takahashi era considerado algo semelhante a um funcionário público, que não podia aceitar regalias relacionadas ao seu cargo.

O Ministério Público de Tóquio disse à AFP que não iria comentar a ação porque não poderia se referir a casos individuais. Uma empresa de consultoria esportiva dirigida por Takahashi é suspeita de receber dinheiro de Aoki por um contrato assinado em 2017, segundo a mídia local.

Suspeita de corrupção: Blatter e Platini são absolvidos em julgamento na Suíça

Mais tarde, em outubro de 2018, a Aoki tornou-se patrocinadora dos Jogos de Tóquio, com o qual conseguiu usar o logotipo dos jogos e vender produtos oficiais. Takahashi disse ao jornal Yomiuri Shimbun, na semana passada, que o dinheiro recebido por sua empresa foi para trabalhos de consultoria.

— Não houve conflito de interesse com minha posição como membro do conselho do comitê organizador — assegurou à publicação.

Aoki divulgou um comunicado na semana passada dizendo que não comentaria o caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos