Polícia de Mianmar apresenta acusações contra Aung San Suu Kyi após golpe

·2 minuto de leitura
Soldados em posto de controle perto do complexo do Parlamento de Mianmar em Naypyitaw

(Reuters) - A polícia de Mianmar apresentou acusações contra a líder deposta Aung San Suu Kyi por importar equipamentos de comunicação ilegalmente, e ela ficará detida até 15 de fevereiro para investigações, de acordo com um documento policial.

O Exército de Mianmar tomou o poder na segunda-feira, detendo a ganhadora do Prêmio Nobel da Paz e podando uma transição para a democracia com um golpe que foi repudiado pelos Estados Unidos e outros países ocidentais.

Uma solicitação da polícia a um tribunal que detalha as acusações contra Suu Kyi, de 75 anos, disse que rádios walkie-talkie foram encontrados durante uma busca em sua casa na capital, Naypyidaw, e que os aparelhos foram importados ilegalmente e usados sem permissão.

O documento analisado nesta quarta-feira solicitou a detenção de Suu Kyi "para interrogar testemunhas, solicitar indícios e buscar aconselhamento legal depois de interrogar a acusada".

Um documento separado mostrou acusações da polícia contra o presidente deposto Win Myint devido a delitos relacionados à Lei de Gerenciamento de Desastres.

A Reuters não conseguiu contatar de imediato a polícia, o governo ou o tribunal para obter comentários.

Suu Kyi suportou cerca de 15 anos de prisão domiciliar entre 1989 e 2010, quando liderava o movimento democrático do país, e continua imensamente popular, apesar do dano causado pela fuga de refugiados muçulmanos rohingya em 2017 à sua reputação internacional.

Seu partido Liga Nacional pela Democracia (NLD) disse mais cedo em um comunicado que seus escritórios foram alvo de batidas em várias regiões e exortou as autoridades a pararem o que classificou como atos ilegais desde sua vitória em uma eleição em 8 de novembro.

O chefe do Exército, Min Aung Hlaing, tomou o poder alegando fraude na eleição, que o NLD venceu com grande vantagem. A comissão eleitoral disse que a votação foi justa.

O G7 repudiou o golpe nesta quarta-feira e disse que o resultado eleitoral precisa ser respeitado.

"Conclamamos os militares a encerrarem imediatamente o estado de emergência, devolverem o poder ao governo eleito democraticamente, libertarem todos aqueles detidos injustamente e respeitarem os direitos humanos e o Estado de Direito", disse o G7 em um comunicado.

(Da redação da Reuters)