Polícia ouve 8 testemunhas em Foz do Iguaçu e quer concluir investigação em uma semana

FOZ DO IGUAÇU, PR, 11.07.2022 - Familiares ao lado do caixão de Marcelo de Arruda, durante velório realizado em Foz do Iguaçu. (Paulo Lisboa/Folhapress)
FOZ DO IGUAÇU, PR, 11.07.2022 - Familiares ao lado do caixão de Marcelo de Arruda, durante velório realizado em Foz do Iguaçu. (Paulo Lisboa/Folhapress)

FOZ DO IGUAÇU, PR (FOLHAPRESS) - A Polícia Civil já ouviu oito pessoas para tentar descobrir a dinâmica do crime que terminou com a morte do militante petista Marcelo de Arruda por um bolsonarista em Foz do Iguaçu (PR).

A previsão é que o inquérito seja concluído até o dia 19.

A lista de pessoas ouvidas inclui testemunhas e familiares do autor do crime, o policial penal Jorge Guaranho, que teve a prisão preventiva decretada e está internado em estado grave. A mulher dele e a filha estiveram com ele pouco antes do ataque.

O ataque aconteceu no sábado (9), quando Marcelo comemorava seu aniversário de 50 anos, com temática do PT.

A polícia trabalha em duas frentes no momento. De um lado, tenta estabelecer as motivações e circunstâncias do crime. De outro, apura agressões ao atirador quando ele já estava baleado e caído --ele foi atingido por Marcelo, que revidou ao seu ataque.

Entre os pontos a serem esclarecidos, está o motivo de Jorge Guaranho ter passado pelo local do crime e como ele soube que havia uma festa com temática do PT por ali.

Por ora, não há qualquer indício de que Marcelo e Jorge se conheciam, mas a polícia apura este ponto também.

A Polícia Científica também trabalha nos laudos do crime. Há a possibilidade, ainda, da realização de uma reconstituição.

Em relação ao laudo, a polícia quer saber qual a influência dos chutes recebidos pelo policial penal Jorge Guaranho na situação em que se encontra.

Ele foi transferido do Hospital de Foz do Iguaçu para o Hospital Ministro Cavalcante, na mesma cidade. Está em estado grave e estável.

Segundo relatos, no dia do crime, Guaranho passou de carro em frente ao salão de festas dizendo "Aqui é Bolsonaro" e "Lula ladrão", além de proferir xingamentos. Ele saiu após uma rápida discussão e disse que retornaria.

De acordo com as testemunhas, Arruda então foi ao seu carro e pegou uma arma para se defender.

Guaranho de fato retornou, invadiu o salão de festas e atirou em Arruda. O petista, já ferido no chão, também baleou o bolsonarista. Uma câmera de segurança registrou o crime.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos