Polícia pode prender 25 acusados de integrar grupo armado no Rio

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Polícia Civil cumprem hoje (18) 25 mandados de prisão contra acusados de integrar uma organização criminosa armada na Baixada Fluminense.

Segundo o MPRJ, essas pessoas atuavam ilegalmente em condomínios do programa Minha Casa, Minha Vida.
 
Entre os alvos da operação - chamada de Hunter (caçador, em português) - está um vereador que foi também secretário municipal de Queimados, na Baixada.
 
De acordo com as denúncias apresentadas à Justiça, o grupo constituiu uma milícia ilegal que atua em três diferentes localidades de Queimados: os condomínios Valdariosa, Ulysses Guimarães e Eldorado.
 
Ao todo, 34 pessoas foram denunciadas por integrar o grupo - conhecido como Caçadores de Ganso -, responsável por explorar ilegalmente sinais clandestinos de TV a cabo, extorsão de moradores e comerciantes e prática de homicídios. Em pelo menos um dos condomínios, o grupo também vendia drogas ilícitas. Dos denunciados, nove já estão presos.
 
Para o MPRJ, o grupo ainda mantinha uma página em rede social, administrada por alguns dos denunciados, onde anunciava os nomes das próximas vítimas. Os administradores da página já tinham sido presos em 2017.

Assista na TV Brasil: Milícia: operação no Rio prendeu hoje mais de 20 suspeitos