Polícia prende acusado de ser aliado do grupo do miliciano Tandera

Agentes da 29ªDP (Madureira) prenderam na manhã desta segunda-feira, um homem identificado pela polícia como Sérgio de Oliveira Cruz, também conhecido como Grosso ou Cabral, de 38 anos. Segundo a polícia, o preso era foragido da Justiça desde 2019 e contra ele havia um mandado de prisão preventiva pelo crime de homicídio qualificado, ocorrido em 2014, no Morro do Campinho, Zona Norte do Rio. Ele também é acusado de ser aliado do grupo do miliciano Tandera.

Acusação de golpe: Polícia e Justiça interditam loja de pneus que foi alvo de busca e apreensão por fraude e coação

Prisão de aliado: Chefe da segurança do miliciano Danilo Tandera é preso em Nova Iguaçu

Covid-19: Rio tem 318 mil pessoas entre 40 a 49 anos que ainda não tomaram 3ª dose

A prisão ocorreu em Araruama, na Região dos Lagos, numa ação coordenada pelo delegado Neilson Nogueira. Policiais chegaram até o preso depois de cruzamento de dados e informações obtidas pelo setor de inteligência da delegacia. Os agentes informaram que o preso não ofereceu resistência.

As investigações apontam que o preso é integrante do grupo narcomiliciano que atua no Morro do Campinho, na Favela da Chacrinha e em outras comunidades da Baixada Fluminense, sendo aliado do grupo do miliciano Danilo Tandera. Ele é acusado ainda ter sido o autor do homicídio de Charles Walges Maranhão, ocorrido no começo de fevereiro de 2014, numa lanchonete localizada no Morro do Campinho, na Zona Norte.

Nova doença: Varíola dos macacos: Ministério da Saúde confirma segundo caso no estado do Rio

De acordo com as investigações, a motivação do crime seria desavenças relacionadas à cobrança de uma dívida referente à reforma efetuada pela vítima na casa de Grosso, em Nova Iguaçu. A vítima foi executada dentro de uma lanchonete com diversos disparos de arma de fogo. Na época, o acusado atuava na milícia que explorava o Morro do Dezoito.

Depois que o Morro do Dezoito voltou a ser explorado por traficantes rivais, Grosso fugiu da localidade e passou a integrar o grupo de milicianos que atua na Baixada Fluminense. Segundo a Polícia, o preso encontrava-se foragido desde 2019 e será encaminhado à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), onde permanecerá à disposição da Justiça.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos