Polícia prende dono da JJ Invest, acusado de crimes financeiros que lesaram investidores em R$ 170 milhões

Extra
·1 minuto de leitura
Zico foi um dos afetados pela fraude (Foto: Divulgação)
Zico foi um dos afetados pela fraude (Foto: Divulgação)

Mais de um ano após a Justiça decretar a prisão de Jonas Jaimovick, que era dono da JJ Invest, policiais da Delegacia de Defraudações (DDEF) prenderam o empresário, acusado da maior pirâmide financeira já realizada no Brasil, que deixou milhares de vítimas, entre elas atletas e celebridades, como os ex-jogadores de futebol Zico e Júnior, e membros na comunidade judaica carioca. O prejuízo causado pela fraude às vítimas é estimado em ao menos R$ 170 milhões.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Ele foi preso na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, no começo da manhã. Além dele, foram indiciadas mais oito pessoas que, de forma direta, obtiveram lucro com a pirâmide financeira. Os acusados ofereciam aos investidores uma rentabilidade de 10% a 15% mensais.

Leia também:

Jonas ainda responde, somente no Rio de Janeiro, a mais 30 inquéritos de outras unidades. Também há processos contra o acusado em São Paulo, Maranhão, Recife, Ceará entre outros estados.

Na esfera cível, existe uma infinidade de processos pedindo ressarcimento ao próprio Jonas e a JJ Invest. Estima-se que em todo o país existam mais de três mil lesados, com algumas pessoas perdendo até mais de R$ 1 milhão.

Segundo investigadores, Jaimovick operava "sem a devida autorização, ou com autorização obtida mediante declaração falsa, instituição financeira, inclusive de distribuição de valores mobiliários ou de câmbio", e é acusado de "gerir fraudulentamente instituição financeira" e de "apropriar-se (...) de dinheiro, título, valor ou qualquer outro bem móvel de que tem a posse, ou desviá-lo em proveito próprio ou alheio".

As penas previstas são de reclusão de entre seis e 22 anos, além de multa.