Polícia prende homem que decapitou cães para ameaçar a madrasta, em GO

·2 min de leitura

RIO - Um homem suspeito de decapitar cinco cachorros foi preso nesta quarta-feira, em Curitiba, no Paraná. Trata-se de um advogado de 30 anos que teria cometido os crimes para ameaçar a madrasta, após a morte do pai.

O suspeito não teve o nome revelado. Ele foi preso durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão em uma fazenda localizada no município de Formosa, em Goiás, e na capital paranaense.

Os agentes encontraram sete armas de fogo e centenas de munições nos endereços alvo das ordens judiciais. Um dos armamentos era de uso restrito, o que resultou na prisão em flagrante do suspeito.

Na semana passada, o suspeito havia sido indiciado pela Polícia Civil de Goiás pelas mortes dos cinco cães: uma cadela e seus quatro filhotes.

O delegado Paulo Henrique Ferreira Santos, responsável pelo caso, explicou que o suspeito teria retirado os animais de uma propriedade rural pertencente ao seu pai, o qual havia morrido dias antes. O ato seria uma forma de ameaçar a madrasta a respeito da herança deixada pelo pai.

- Ele começou a pressionar a esposa do pai para que resolvesse essas questões logo - disse o delegado.

As decapitações ocorreram em março deste ano. O advogado foi apontado como autor do crime logo após o ocorrido, mas sempre negou ter decapitado os animais.

- Recentemente, porém, áudios começaram a circular na cidade, nos quais o investigado confirma que matou os animais - diz o delegado.

Segundo as investigações, o advogado foi até a fazenda de propriedade de seu pai, que havia morrido. No local, que ainda abrigava pertences da viúva, ele recolheu os cinco animais de estimação da viúva. Posteriormente ele cortou as cabeças e deixou na porta da casa da vítima, na cidade.

O suspeito foi indiciado pelos crimes de maus-tratos a cachorros com resultado morte e furto qualificado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos