Polícia prende suspeito de matar idosa e diarista em prédio de alto padrão no RJ

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Polícia prendeu nesta sexta-feira (10) na favela de Acari, zona norte do Rio, um suspeito de envolvimento na morte de Martha Maria Lopes Pontes, 77, e da diarista Alice Fernandes da Silva, 51.

As duas foram encontradas carbonizadas na tarde desta quinta-feira (9) em um apartamento de alto padrão na avenida Rui Barbosa, no bairro do Flamengo, zona sul do Rio de Janeiro.

O suspeito foi conduzido para a Delegacia de Homicídios da Capital. A identidade do homem não foi divulgada. A polícia ainda procura um segundo homem, que também teria participação nas mortes.

Bombeiros foram acionados às 16h52 desta quinta para controlar um incêndio que atingia o imóvel onde Martha morava, localizado no 12º andar, quando encontraram os corpos da idosa e de sua diarista.

Filho de Alice, Diogo da Silva, 27, diz que viu nas imagens das câmeras de segurança dois homens entrando de máscara e boné no prédio por volta das 13h30, horário em que a mãe enviou a última mensagem no grupo da família no WhatsApp. "Mandou mensagem brincando e, depois disso, ela não falou mais nada. Mandei mensagem para ela e nada."

Ele diz que os dois homens haviam prestado serviços como pintores no apartamento de Pontes e que teriam entrado no imóvel dizendo que haviam esquecido ferramentas de trabalho. "A minha mãe, com o coração bom, e a dona Martha autorizaram a subida", diz.

Diogo da Silva diz que a filha da moradora contou a ele que os pintores estariam coagindo Lopes a efetuar outros pagamentos além do valor combinado. "O serviço foi todo feito e pago, só que eles estavam coagindo a dona Martha, porque queriam mais dinheiro."

Segundo ele, os pintores já teriam ido pelo menos duas outras vezes ao apartamento querendo dinheiro. Em uma das ocasiões, eles teriam colocado o pé na porta e ameaçado a idosa, tentando extorquir dinheiro dela.

Conforme Diogo diz ter ouvido de um policial, as duas foram encontradas com ferimentos na garganta. Ele acredita que a diarista morreu tentando defender a patroa.

"Ela gostava muito da dona Martha. Ela era uma pessoa disposta a ajudar todo mundo. Provavelmente, esses indivíduos tentaram algo com a dona Martha e a minha mãe entrou para defender ela", diz Diogo, acrescentando que o morador de um prédio vizinho afirmou ter escutado um pedido de socorro.

Ele conta que a mãe era uma pessoa batalhadora que gostava de ajudar a todos. Ela nasceu na Paraíba e se mudou para o Rio há cerca de 25 anos, buscando uma vida melhor para os filhos.

"Eu só peço às autoridades que prendam as pessoas que fizeram essa maldade com a minha mãe. É muita maldade fazer isso com duas mulheres indefesas", disse Diogo, em frente ao IML (Instituto Médico Legal), para onde o corpo de sua mãe foi levado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos