Polícia prende suspeito de ser maior traficante de drogas sintéticas do Rio

Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil

Um ex-policial militar foi preso nesta quinta-feira (13) pela Polícia Civil suspeito de ser o maior traficante de drogas sintéticas da cidade do Rio. Ele já havia sido preso no ano passado, pelo mesmo motivo, e respondia em liberdade.

A prisão foi feita pela equipe do delegado Fábio Asty, da 45ª Delegacia de Polícia (Complexo do Alemão). Na casa de Leonardo Scorza a polícia encontrou cerca de R$ 35 mil em dinheiro, além de uma pistola calibre 380. Na casa de uma mulher com quem ele teria um relacionamento, segundo o delegado, foram apreendidos cerca de 1.500 comprimidos de ecstasy e diversas embalagens de outra droga conhecida como MD, no valor aproximado de R$ 80 mil.

As drogas eram vendidas, principalmente, em eventos de música eletrônica, bares e boates, além de serem comercializadas por telefone e por redes sociais. As investigações duraram oito meses.

“É uma associação criminosa, com divisão de tarefas, que compõe o principal grupo que vende drogas em festas eletrônicas aqui na cidade do Rio de Janeiro e também em domicílio”, disse o delegado.

Também foram apreendidos frascos de um medicamento tranquilizante usado em cavalos, que, de acordo com o delegado, era utilizado por usuários que aspiravam o seu conteúdo. A polícia investiga agora quem eram os fornecedores da droga.

“Nós já temos o mapeamento desses fornecedores e as investigações prosseguem justamente para prender todos os membros dessa organização criminosa. Algumas drogas vêm do exterior e outras são fabricadas no território nacional”, disse o delegado.