Polícia prende suspeitos de incendiar ônibus em Belford Roxo durante protesto por desaparecimento de três meninos

Extra
·3 minuto de leitura

Após análise de câmeras de segurança da Avenida Retiro da Imprensa, em Belford Roxo, onde fica a sede da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, a Polícia Civil identificou três pessoas que teriam participado do incêndio a um ônibus na via, durante um protesto de parentes e moradores pelos 16 dias do desaparecimento de três meninos no bairro Castelar, no mesmo município. Duas delas foram presas.

De acordo com a 54ª DP (Belford Roxo), André Alves Penido, de 45 anos, Michel Marques Nascimento, de 30 anos, e Bruna de Sena Penido, de 20 anos, responderão pelo crime de causar incêndio, expondo a perigo a vida, integridade física ou patrimônio que não lhes pertence.

Protesto na porta da DHBF

Nesta terça-feira, cerca de 150 moradores realizaram um protesto pedindo que um suspeito de envolvimento no sumiço dos meninos Lucas Matheus, de 8 anos, Alexandre da Silva, de 10 e Fernando Henrique de 11, ocorrido no fim de dezembro, permaneça detido na delegacia. Durante o ato, um grupo de pessoas ateou fogo em latões de lixo e incendiou um ônibus, na Avenida Retiro da Imprensa. Não houve feridos no episódio.

Por conta da confusão, a circulação de ônibus foi interrompida. Parentes das crianças ficaram mais de 12 horas em frente à especializada.

— Vamos continuar aqui, esperando uma notícia. Conversamos com o delegado e a gente contou que veio para cá porque o suspeito está aqui. Eu não sei quem pegou este homem. Tudo que a gente quer é Justiça — disse Silvia Regina, avô de duas das três crianças desaparecidas.

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) repudia um novo ataque a ônibus em Belford Roxo. É o terceiro caso em dois dias no município da Baixada Fluminense. Todos por motivos alheios à operação rodoviária.

Na segunda-feira (11/01), dois veículos da Transportes Flores foram incendiados de maneira criminosa. Hoje (12/01), foi a vez de um ônibus da Auto Viação Vera Cruz ser queimado em um protesto em frente à Delegacia de Homicídios. Instantes antes, um outro ônibus da Auto Viação Vera Cruz foi atacado naquele mesmo ponto. O motorista conseguiu manobrar e evitar o local. Ainda assim, o veículo foi apedrejado. Nos casos de 11/01, dois passageiros precisaram de socorro e foram encaminhados ao hospital. No caso de hoje, nenhum passageiro se feriu.

Com isso, sobe para 220 o número de ônibus incendiados no Estado do Rio desde 2016. Destes 220, mais de 40% eram climatizados. O custo de reposição ultrapassa R$ 94 milhões, recursos que poderiam estar sendo investidos na melhoria do transporte público com a renovação da frota.

A população é a mais prejudicada com a redução da oferta de transportes. Um ônibus incendiado deixa de transportar cerca de 70 mil passageiros em seis meses, tempo necessário para a reposição de um veículo no sistema. É importante lembrar, no entanto, que a inexistência de seguro para este tipo de sinistro e a crise econômica do setor, que tem feito as empresas perderem a capacidade de investimento em renovação da frota, tornaram completamente inviável a reposição de ônibus incendiados.