Polícia resgata cão de 6 meses levado por dupla na Tijuca: 'Alívio muito grande', conta dono

Luã Marinatto
·3 minuto de leitura

Na saída principal do Shopping Tijuca, na Zona Norte do Rio, o estudante e ator Brenno Negrellos, de 20 anos, aguardava a avó deixar o centro comercial para acompanhá-la até em casa, perto dali, na noite do último sábado. Com o rapaz, deitado à calçada na calma de sempre, estava o (nem tão) pequeno Link, um border collie de 6 meses. O som repentino do cano de descarga de um bugre recém-ligado, porém, assustou o cão, que partiu em disparada. O movimento inesperado pegou Brenno de surpresa, e a mão não tão firme desprendeu-se da coleira.

O jovem correu atrás do cachorro até a Praça Varnhagen, reduto boêmio a pouco menos de 500 metros do shopping, lotada pelas atrações de um sábado à noite e pela final da Libertadores, encerrada horas antes. Desesperado, ouviu, em um bar, relatos de que Link havia estado ali segundos antes, recebendo inclusive alguns carinhos. As testemunhas contaram, porém, que duas pessoas em um carro pegaram o animal e partiram em seguida. Pior: a descrição da dupla e do veículo, um inusitado bugre amarelo, batiam exatamente com o carro que, ao ser ligado, causara a fuga do cão.

Teve início, então, uma peregrinação em busca do animal, com direito a mobilização de ativistas do direito animal e moradores do bairro pela internet. Descobriu-se, por exemplo, que o casal, logo após recolher Link na Vanhargen, esteve em um restaurante no mesmo bairro. Brenno chegou até o estabelecimento ainda na mesma noite e conversou com um segurança, que contou ter visto o cão.

- Chamou a atenção dele que o cachorro ficou amarrado no carro todo o tempo. E que, quando os dois se aproximavam, ele tentava morder. Confesso que fiquei até um pouco orgulhoso do Link quando ouvi isso - conta Brenno, que, na mesma noite, registrou ocorrência na delegacia do bairro.

Após passar a noite em claro, o estudante voltou à região na manhã seguinte, em busca de câmaras de segurança que pudessem ter flagrado a movimentação. Não deu certo. No início da tarde, a surpresa: uma mensagem recebida no celular, enviada por uma pessoa que se deparara com o relato nas redes sociais, trazia uma foto do bugre amarelo, em que era possível ver a placa do carro.

- Eu não sabia o que fazer, já estava pensando em oferecer recompensa... Mas aí levei a foto para a polícia, que com a placa conseguiu rapidamente localizar um endereço - diz Brenno.

Poucas horas depois, o rapaz recebeu uma ligação do delegado Gabriel Ferrando, titular da 19ª DP (Tijuca), com a notícia tão esperada: Link estava em segurança, na delegacia.

- Ele não estava machucado, mal cuidado, não estava tenso, nada. Cheguei e foi aquela festa. É um alívio muito grande - festeja o estudante, que virou atá uma espécie de celebridade no bairro com o pet: - Hoje (segunda-feira) de manhã saí para passear com ele e pararam para perguntar se "era o Link que havia sido roubado".

À polícia, informalmente, a dupla alegou que havia levado o cachorro porque viu o animal sozinho e não quis deixá-lo em perigo. Os dois prestarão depoimento na 19ª DP até o fim da semana. A princípio, o caso é investigado como um crime de furto. Um filhote de border collie pode custar até R$ 3 mil, aproximadamente.

- Eles serão ouvidos, e todas as versões serão analisadas, para checar a veracidade. Como o cachorro já foi localizado, e os envolvidos identificados, a partir de agora é uma investigação de baixa complexidade - explica o delegado Gabriel Ferrando.