Polícia resgata idosa em Guaratiba e dona da casa pode responder por cárcere privado

Geraldo Ribeiro
·2 minuto de leitura

A Polícia resgatou na manhã desta terça-feira, Maria das Graças de Souza Rodrigues, de 78 anos, que vivia em condições subumadas numa casa em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio, junto a mais de 40 cachorros e uma outra idosa que seria a dona do imóvel. Além de muitas fezes no quintal, havia até um pequeno cemitério de animais nos fundos do imóvel, com direito a lápides, onde foram encontradas algumas ossadas.

A dona do imóvel, identificada pela polícia como Therezinha da Silva Moraes também foi levada para a delegacia. Ela deverá responder por maus tratos aos animais, cárcere privado e por manter outra pessoa em condições análogas a escravidão, segundo o delegado Antônio Ricardo Lima Nunes, titular da 43ª DP (Guaratiba)

— Deve ser autuada por maus tratos aos animais, porque lá tinha mais de 40 cães subnutridos e com fezes espalhadas por todos os lados, sem ração ou água; por cárcere privado e condição análoga à escravidão. Só estamos decidindo se será situação flagrancial ou não. Ela é muito idosa e esse é um complicador. Estamos procurando um familiar dela para dar ciência do que está acontecendo e até mesmo para dar acompanhamento na audiência de custódia, se for feita a lavratura. Mas esses artigos já estão certos — afirmou o delegado.

O delegado quer saber também se alguém ficava com o dinheiro da aposentaria de Maria das Graças. Antônio Ricardo disse que ela tinha o cartão do benefício do INSS, mas afirmou que não recebia nenhum valor.

— Ela tem aponsentatoria. A gente está com o cartão aqui, mas ela disse que não recebia (o benefício). Vamos apurar aqui quem é que recebia (por ela) — disse o delegado.

A mulher resgatada deixou o Maranhão há mais de 50 anos, em busca de uma vida melhor e há mais de 30 havia perdido o contado com os familiares. A polícia chegou até ela após denúncia feita por uma moradora que foi procurada por uma sobrinha da idosa que mora Nordeste e pediu ajuda para encontrar a tia.

A idosa foi localizada na casa de dois andares e muro alto com outra idosa, que seria a dona do imóvel. Ela dormia num quarto onde havia uma cama velha e quebrada, apoiada por tijolos e que sequer tinha colchão. O cômodo era dividido com os cachorros. Ela estava maltrapilha, suja, com um dos pés descalços e com uma imensa cabeleira coberta por um pano.

Maria das Graças vai ficar temporariamente com parentes no Rio e depois será levada para o Maranhão, onde vive uma outra irmã.