Polícia segue duas linhas de investigação e verifica novas pistas para tentar encontrar meninos desaparecidos na Baixada Fluminense

·2 minuto de leitura

A Polícia Civil segue duas linhas de investigação e vai verificar duas novas informações, recebidas nesta quinta-feira, para tentar encontrar os meninos Lucas da Silva, de 9 anos, Alexandre da Silva, de 11 e Fernando Henrique, também de 11. Os três desapareceram dia 27 de dezembro, e foram vistos pela última vez em uma feira em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

Gislaine Kepe, defensora pública do núcleo de direitos humanos, participou de uma reunião, nesta quinta-feira com o delegado Uriel Alcântara, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense(DHBF) , onde o caso está sendo investigado, e que contou ainda com a presença das mães das três crianças e da avó de duas delas, além de representantes da Alerj. Segundo a defensora, a nova linha de investigação que a polícia tem não foi detalhada, mas tanto esta quanto a primeira estariam robustecidas.

Além disto, a DHBF também vai investigar duas informações recebidas por parentes dos garotos desaparecidos.

.—A Linha principal da polícia continua sendo de que o tráfico teria tido participação no desaparecimento. Paralelo a isso, tem uma outra linha de investigação, que como a primeira está se robustecendo. O delegado foi receptivo e vai checar duas informações. Uma mãe disse ter recebido telefonemas não identificados e que ao atender a ligação ouve apenas crianças chorando. A avó disse ter recebido uma informação de um conhecido e que esta pessoa teria ouvido de alguém que os meninos estariam escondidos em algum lugar em outro município .— disse Gislaine Kepe.

A defensora classificou a reunião como proveitosa.

.—Fiquei satisfeita com o resultado. Pelo menos soubemos que a policia está atuando. O delegado disse que há diligências em andamento .— concluiu a defensora pública.

Mais cedo, antes da reunião ter início, Silvia Regina da Silva, ao lado das filhas Camila Paes da Silva e Jana Jéssica, mães de Lucas e Alexandre; e da amiga Tatiana da Conceição Ribeiro, mãe de Fernando Henrique, cobraram uma solução para o caso.

— Espero uma resposta certa. Preciso saber o que foi feito dos meus netos. Preciso dos meus netos. Quero uma resposta, quero a verdade. A Polícia sempre fala que está investigando, que a investigação não parou. Mas, ainda não sabemos de nada — desabafou Silvia
.

O triplo desaparecimento já dura mais de seis meses. Os três garotos foram vistos pela última vez , no dia 27 de dezembro. Eles deixaram o Complexo do Castelar para ir à feira do Bairro Areia Branca. Imagens de câmeras de segurança, que foram periciadas em um laboratório do Ministério Público, mostram as três crianças a caminho do local, passando por uma rua do bairro.

Segundo duas testemunhas ouvidas pela polícia, os garotos também foram vistos na feira, entrando e saindo de uma loja. No último domingo, as três mães e a avó participaram de um culto em uma igreja evangélica onde fizeram orações pedindo que os meninos sejam encontrados

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos