Polícia do Senado afirma que diálogo com vândalos foi estratégia de negociação

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia do Senado Federal afirmou nesta segunda-feira (9) que policiais "aparecem em fotos e vídeos ao lado dos manifestantes golpistas" porque adotaram técnicas de negociação baseadas nos conceitos de "aproximação, espelhamento e diálogo".

A Spol (Secretaria da Polícia do Senado Federal) divulgou nota nesta segunda para parabenizar os profissionais que trabalharam neste domingo (8), e rebater acusações de que teria sido conivente com os vândalos que invadiram o prédio.

Na nota, a secretaria afirma que os policiais que aparecem nas imagens efetuaram prisões e elogia a estratégia adotada. "Ao criarem espelhamento e empatia (com conversas e fotos) tais policiais também protegeram suas próprias vidas, bem este que valorizamos muito acima do que o patrimônio."

"Sobre isso, a Polícia do Senado Federal esclarece que tais policiais, em estrito cumprimento de seus deveres legais, adotaram técnicas de negociação com os manifestantes, apoiando-se em conceitos de aproximação, espelhamento e diálogo", diz a nota da secretaria.

"Por vezes, dada a imprevisibilidade dos ânimos da massa, o policial, sobretudo quando em ambiente confinado como o Plenário, cercado pela multidão e desguarnecido de apoio, deve evitar o confronto, mostrando-se amistoso e empático."

A Polícia do Senado foi elogiada nesta segunda pelo presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD), pelo presidente em exercício, senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB), e por vários parlamentares. 44 pessoas que invadiram o plenário foram presas em flagrante.

Diante da inércia da Polícia Militar do Distrito Federal, líderes destacaram que a Polícia do Senado foi a primeira a efetuar prisões. Senadores afirmaram também que o trabalho dela foi fundamental para conter os estragos no prédio e impedir que o grupo chegasse aos gabinetes dos senadores.

Apesar de ter depredado várias áreas comuns do Senado, os vândalos bolsonaristas só conseguiram entrar na área privativa de um gabinete parlamentar, de acordo com a Casa: o de José Serra (PSDB-SP). A sala do tucano fica perto do plenário.

Vídeo gravado pela Polícia do Senado mostra policiais em confronto com golpistas durante invasão ao Congresso. No momento do embate, a polícia está posicionada com escudos entre o Salão Verde, da Câmara, e o Salão Azul, do Senado.

INTEGRA DA NOTA DA SECRETARIA DE POLÍCIA DO SENADO FEDERAL

"Nas últimas horas as mídias sociais têm reagido com intensa indignação e repulsa às imagens de policiais do Senado Federal que, durante os atos de vandalismo, aparecem em fotos e vídeos ao lado dos manifestantes golpistas.

Sobre isso, a Polícia do Senado Federal esclarece que tais policiais, em estrito cumprimento de seus deveres legais, adotaram técnicas de negociação com os manifestantes, apoiando-se em conceitos de aproximação, espelhamento e diálogo.

Por vezes, dada a imprevisibilidade dos ânimos da massa, o policial, sobretudo quando em ambiente confinado como o Plenário, cercado pela multidão e desguarnecido de apoio, deve evitar o confronto, mostrando-se amistoso e empático.

Outrossim, os policiais em questão também efetivaram prisões de todos os manifestantes que permaneceram no plenário do Senado Federal.

Para nós da Polícia do Senado restou evidente o empenho de tais policiais em seguirem aquilo para o qual foram treinados, arrefecendo os ânimos dos manifestantes e freando seus desígnios destrutivos.

Além disso, ao criarem espelhamento e empatia (com conversas e fotos) tais policiais também protegeram suas próprias vidas, bem este que valorizamos muito acima do que o patrimônio.

Desta forma, a Polícia do Senado não só parabeniza todos os policiais de seu quadro pelo empenho e dedicação neste 08 de janeiro, como também manifesta alívio por não ter contabilizado nenhum de seus policiais gravemente feridos."