Polícia de SP abre inquérito para investigar briga entre vereadoras do partido Novo

·3 min de leitura

O delegado Marco Aurélio Flóridi, do 1º Distrito Policial de São Paulo, abriu inquérito para investigar a briga das vereadoras Cris Monteiro e Janaína Lima, durante sessão da Câmara Municipal de São Paulo no último dia 10. As duas registraram boletim de ocorrência por agressão, uma contra a outra, e deverão fazer exame de corpo de delito. A Corregedoria da Câmara também recebeu dois pedidos de punição por quebra de decoro parlamentar, que pode resultar desde uma suspensão até cassação de mandato.

Monteiro e Lima são do partido Novo e foram suspensas depois da briga. A vereadora Cris Monteiro afirma que foi agredida no banheiro da Câmara, teve sua peruca arrancada e foi esganada. Janaína Lima, por sua vez, diz que tentou se desvencilhar de Cris Monteiro e entrou no banheiro, mas a colega entrou atrás e que só agiu para se defender de agressões.

A defesa de Cris Monteiro apresenta fotos com lesões no pescoço e na cabeça e seis testemunhas, entre elas uma guarda municipal e uma funcionária da Câmara que teriam conseguido entrar no banheiro durante a briga. A defesa de Janaína Lima se baseia num vídeo que mostra que a vereadora tentou se desvencilhar da colega, que a pegou pelo braço e entrou junto com ela no banheiro — que é individual.

— Não acredito que o ânimo se mofifique quando entra no banheiro. Nas imagens do vídeo fica claro que o ânimo dela (Cris Monteiro) era ferir e lesionar. Apesar da idade, ela tem porte físico maior e consegue impossibilitar a Janaína de se locomover. Janaína não consegue se desvencilhar e é acuada dentro de um banheiro. A intenção da Janaína era apenas se proteger e fazer seu trabalho, já que havia uma apresentação a ser feita em plenário — afirma o advogado Fábio Mariz, que representa Janaína Lima.

— As agressões são injustificáveis. Cris Monteiro é uma senhora de 60 anos e a vereadora Janaína Lima, que tem 37 anos, a agrediu de forma covarde. Ela agrediu, sufocou, arrancou a peruca à força e lesionou a cabeça de Cris Monteiro. Ainda pisou em cima da peruca e saiu do banheiro como se nada tivesse acontecido — diz o advogado Daniel Bialski, que representa Cris Monteiro.

As duas vereadoras são do partido Novo e não havia divergência em relação ao conteúdo do projeto apresentado, que era sobre a reforma da Previdência Municipal. A briga teria ocorrido em função da ordem de fala no plenário. O Novo suspendeu as duas parlamentares.

Não há prazo para conclusão do inquérito policial, que correrá sob segredo de Justiça a pedido da vereadora Cris Monteiro. O primeiro passo será o exame de corpo de delito e, em seguida, serão ouvidas testemunhas e as duas vereadoras envolvidas.

Na Câmara Municipal, a expectativa dos advogados é que ocorra uma decisão da Corregedoria apenas no primeiro trimestre de 2022.

O presidente da Casa, vereador Milton Leite (DEM), pediu celeridade na apuração. Líderes de partidos defendem punição "exemplar" à vereadora Janaína Lima. Eles avaliam que ela extrapolou no uso da força contra a colega.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos