Polícia de SP indicia Najila Trindade por denunciação caluniosa contra Neymar

Equipe HuffPost
Najila Trindade em entrevista para o repórter Roberto Cabrini, do SBT.

A Polícia Civil de São Paulo anunciou nesta terça-feira (10), que concluiu outros dois inquéritos referentes ao “Caso Neymar”. Najila Trindade, que acusou o atleta de estupro e agressão, foi indiciada pelos crimes de denunciação caluniosa, fraude processual e extorsão. Representação contra a modelo havia sido apresentada por Neymar em conjunto com seu pai, Neymar Santos Sr.

Estivens Alves, ex-marido da jovem, também foi indiciado pelo crime de fraude processual. Alves ainda responderá pela divulgação de conteúdo erótico de Najila. De acordo com as autoridades, Estivens mandou imagens íntimas de sua ex-mulher a um repórter em troca de publicações suas em sites na internet.

A decisão foi tomada pela delegada Monique Lima, do 11º DP, após a conclusão dos dois inquéritos, que tramitavam em conjunto com a 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, envolvendo o atacante da seleção brasileira.

A Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, no Rio, ainda investiga se Neymar teria cometido crime ao divulgar imagens íntimas de Najila Trindade. A delegacia aguarda o depoimento da modelo.

Para se defender da acusação de estupro, o jogador publicou um vídeo de 7 minutos no seu perfil oficial do Instagram em que mostra a troca de mensagens por WhatsApp com Najila - incluindo imagens íntimas. Neymar borrou o rosto, as partes íntimas e o nome da jovem ao divulgar o vídeo. 

O arquivamento da denúncia contra Neymar

Em 8 de agosto, promotoras do Ministério Público Estadual, do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica (Gevid), pediram à Justiça o arquivamento da investigação que apura a denúncia de estupro.

A decisão, no entanto, não significava que Neymar foi considerado inocente. Caso haja novas provas, o inquérito poderá ser reaberto a qualquer momento. 

Duas semanas depois, a defesa de Najila entrou com o pedido para desarquivar o inquérito e retomar as investigações, mas MP negou a solicitação. 

O MP...

Continue a ler no HuffPost